Menu

Introdução

Definição

A Rinite Alérgica (RA) é uma inflamação da mucosa que recobre o interior do nariz, causada por uma alergia.

Frequência

É uma das doenças crónicas mais frequentes no mundo, e a mais comum que afecta o sistema respiratório. O aparecimento dos sintomas é raro antes dos 2 anos de idade, tornando-se mais frequente a partir da idade pré-escolar.

Causa

A RA resulta de uma resposta exagerada do nosso sistema imunológico a substâncias externas, chamadas alergénios, como o pó da casa, o pólen e a pele ou pelos de animais. Ocorre mais frequentemente em pessoas com antecedentes familiares de alergia e que estejam mais expostas a alergénios.

Sinais e sintomas

Os principais sintomas da rinite alérgica são o nariz “entupido”, com sensação de obstrução e dificuldade na entrada de ar, escorrência de muco claro-aquoso, contínuo pelo nariz (“nariz a pingar”), espirros, muitas vezes de forma repetitiva e comichão no nariz, que faz com que as crianças o “esfreguem”  com frequência. Muitos doentes apresentam também sintomas oculares, como vermelhidão, comichão e lacrimejo ocular (conjuntivite alérgica). A escorrência de muco para a garganta, principalmente quando a criança está deitada, pode provocar comichão na garganta e tosse.

A obstrução e inflamação do nariz faz também com que os doentes tenham necessidade de respirar com a boca aberta, causando muitas vezes roncos, perda de olfacto, sensação de boca seca e dores de cabeça. Comichão nos ouvidos, palato e sangramento nasal também podem ocorrer.

A rinite pode ser leve, com sintomas mínimos, ou moderada-grave com sintomas mais graves. Quanto à frequência, pode ser persistente, isto é, os sintomas mantêm-se durante vários meses ou mesmo todo o ano; ou intermitente, quando os sintomas se manifestam por períodos mais curtos, coincidindo muitas vezes com o contacto ocasional ou breve com o alergénio.

Os sintomas da RA podem ser muitos incómodos e afectar gravemente as actividades diárias da criança. Em alguns casos a causa alérgica é clara, mas existem outras causas de rinite com manifestações semelhantes como constipações ou outras infecções respiratórias.

O que fazer

Quando os sintomas persistem por um longo período de tempo, ou recorrem e existe alguma associação percebida entre os sintomas e o contacto com alguma substância deve consultar-se o médico, para que este possa fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento o mais cedo possível, evitando deste modo complicações.

O diagnóstico baseia-se principalmente nos sintomas, mas o médico avaliará a necessidade de realizar provas alérgicas ou outros exames.

Tratamento

As medidas de controlo ambiental, com evicção (afastamento) dos alergénios e irritantes são fundamentais para atingir um controlo da sintomatologia, e devem envolver o domicílio, assim como o ambiente escolar da criança.

O tratamento farmacológico depende da persistência e da gravidade da sintomatologia, e inclui o uso de medicação oral e também medicamentos que se aplicam no nariz. Estes medicamentos podem ser utilizados em monoterapia ou associados, até um melhor controlo da sintomatologia. Os anti-histamínicos orais são o tratamento inicial mais frequentemente utilizado por diminuírem os sintomas nasais (comichão, escorrência e espirros). No caso de sintomas graves o corticóide tópico nasal também deve ser utilizado.

A higiene nasal é fundamental no tratamento da rinite. O soro fisiológico ou água do mar podem aliviar a irritação do nariz, humedecer a mucosa e auxiliar na remoção das secreções. Com isso, proporcionam alívio temporário da obstrução nasal e melhoram o olfacto.

Existe também um tratamento com vacinas, chamado imunoterapia específica, para doentes com alergias comprovadas associadas à rinite, que consiste na administração de pequenas quantidades do alergénio periodicamente, para que o organismo deixe de reagir ao mesmo. Está indicada para doentes que não estão controlados com os medicamentos e medidas ambientais, em doentes que não desejam fazer uso de medicação contínua ou apresentam efeitos colaterais indesejados. Também nos casos onde não é possível afastar o alergénio (ácaros e pólenes) e nos doentes com rinite sazonal (isto é, surge em algumas estações do ano) que iniciam sintomas de asma. Existem dois tipos de imunoterapia, sublingual (medicação em baixo da língua) e subcutânea (injectável), normalmente realizadas durante 3 a 5 anos. A imunoterapia deve ser recomendada por especialistas e a injectável realizada em locais aptos a tratar eventuais reacções.

O tratamento cirúrgico, está raramente indicado nas crianças, expecto na presença de defeitos da face ou crânio, ou complicações do foro otorrinolaringológico.

Evolução / Prognóstico

A rinite alérgica não tem cura, mas os sintomas podem atenuar com a idade. O tratamento adequado permite controlar os sintomas por períodos prolongados e melhorar a qualidade de vida das crianças. Deste modo, pode evitar-se algumas das complicações associadas, tais como otites, pólipos no interior do nariz, perda do olfacto, dores de cabeça, alterações do sono, dificuldades de aprendizagem e fala e consequentes problemas sociais.

Prevenção / Recomendações

As mudanças no ambiente, com evicção dos alergénios e irritantes, principalmente o fumo de tabaco, são fundamentais na prevenção, controle dos sintomas e consequentemente na redução do uso das medicações.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail