Menu

Introdução

Definição

As infecções do ouvido são denominadas otites. A otite média aguda é a inflamação e a acumulação de líquido no ouvido médio. 

Frequência

A otite média aguda é a infecção que mais frequentemente motiva a toma de antibióticos em crianças. Cerca de 60% das crianças têm pelo menos um episódio de otite média durante o seu primeiro ano de vida e esta percentagem sobe para quase 90% por volta dos 3 anos de idade. 

Causa

As infecções víricas das via respiratória superior levam ao edema (inchaço) do revestimento do nariz e da garganta, diminuindo as defesas naturais do organismo e a capacidade de eliminar bactérias a partir do nariz. Estas infecções também podem prejudicar o funcionamento da trompa de Eustáquio, que é um canal que liga a nasofaringe (região entre a garganta e o nariz) ao ouvido médio, permitindo a compensação de pressão (arejamento) deste último. Quando o ouvido médio deixa de ser arejado há acumulação de líquido no seu interior o que favorece a colonização do mesmo por bactérias, levando à infecção e aumento de pressão no ouvido médio, com perda auditiva associada. Nas crianças a trompa de Eustáquio é mais curta e menos angulada que nos adultos, o que dificulta a sua abertura, favorece a sua obstrução nos casos de infecção respiratória e facilita a passagem de bactérias para o ouvido médio. 

Sinais e sintomas

Os principais sintomas da otite média aguda nas crianças são febre, dor de ouvido e sensação de ouvido tapado. Geralmente estes sintomas iniciam-se subitamente. Em lactentes e crianças mais pequenas, os sintomas são menos típicos, podendo incluir o puxar/mobilizar constante das orelhas, irritabilidade, choro, apatia, falta de apetite, vómitos, diarreia, alteração do sono. Por vezes, pode-se acompanhar de perfuração timpânica com otorreia (saída de liquido pelo ouvido) que pode ser clara, com pús ou sangue. Após a perfuração e a saída de líquido, a criança sente melhoria da dor e da audição. 

O que fazer

Se o seu filho tem estes sintomas deve ser observado por um profissional de saúde logo que possível. O ouvido vai ser examinado por um médico através de um otoscópio, que permite avaliar se há líquido no ouvido médio e se o tímpano está inflamado, abaulado ou perfurado. A otoscopia não dói no entanto é um exame difícil de realizar nas crianças uma vez que elas toleram mal a colocação do instrumento no interior do ouvido. A colaboração dos pais nesta etapa do exame físico é de grande importância.

Tratamento

A dor associada à otite média aguda deve ser tratada com analgésicos (p.ex.: paracetamol) e/ou anti-inflamatórios (p.ex.: ibuprofeno) consoante a idade da criança. Já o tratamento da otite média aguda com antibióticos deve ser instituído por um profissional de saúde. A utilização indiscriminada de antibióticos, além de ser desnecessário em alguns casos, pode levar à selecção de bactérias mais resistentes, o que pode dificultar o tratamento nos casos em que os antibióticos são mesmo necessários. A decisão quanto à necessidade de antibioterapia vai depender da idade da criança, da gravidade dos sintomas e da lateralidade (um ou os dois lados afectados). Nas crianças em que se optou por não dar antibiótico, se os sintomas não melhorarem em 48-72h estas devem ser reavaliadas pelo médico para avaliar a necessidade de iniciar a sua toma. Quando o antibiótico está indicado a amoxicilina é o fármaco de escolha. Esta escolha pode ser influenciada pela existência de alergia à penicilina ou pela toma do fármaco há menos de 30 dias. 

Evolução / Prognóstico

A maioria dos casos de otite média aguda têm uma boa evolução com resolução da sintomatologia 2-3 dias após início do tratamento. Uma perda de audição leve e temporária é um sintoma comum e costuma melhorar após o desaparecimento do líquido que se encontrava acumulado no ouvido médio. Por vezes, o seu desaparecimento pode levar meses. Em alguns casos a perfuração e a otorreia podem persistir por um período superior a 12 semanas, desenvolvendo assim uma otite média crónica. 

Prevenção / Recomendações

Existem algumas medidas que estão associadas à diminuição do risco de desenvolvimento de otites: a amamentação exclusiva até os 6 meses de idade, não beber o biberão na posição deitada, evitar a utilização de chupeta a partir dos 6 meses, evitar a exposição da criança ao fumo de tabaco e a frequência de infantários e creches com um número limitado de crianças.

Atualmente o calendário de vacinação inclui vacinas obrigatórias contra algumas das principais bactérias causadoras de otites médias, como o Haemophillus influenzae e o Streptococcus pneumoniae. Existe ainda outra vacina contra o vírus da gripe, vírus Influenzae que pode ser dada em alguns grupos de risco, como os doentes crónicos e os imunodeprimidos com mais de 6 meses de idade. Estas vacinas têm conseguido reduzir substancialmente a frequência das otites médias. 

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail