Menu

Introdução

Definição

A diarreia do viajante (DV) é a patologia mais frequente associada às viagens, com pelo menos um episódio de diarreia aguda ocorrendo em até 50% dos viajantes, destes, 25% nas primeiras duas semanas de viagem. Define-se como três ou mais dejecções não formadas por dia, associadas a um ou mais sintomas entéricos (vómitos, dor abdominal ou cólicas).

Causa

A DV é uma patologia de transmissão fecal-oral provocada por bactérias, vírus, protozoários e menos frequentemente por helmintas, variando a frequência de cada agente de acordo com a localização geográfica. As bactérias e suas toxinas são responsáveis por 50-80% dos episódios sintomáticos. Em 40-50% dos casos pode não ser identificado o agente patológico. O episódio de DV pode ainda ser provocado por mais do que um agente

Factores de risco

Relacionados com a viagem:

  • O destino da viagem pode ser classificado em baixo, médio ou alto risco para DV de acordo com a sua incidência:
  • Baixo risco (< 8%): Europa do norte e central, Estados Unidos da América, Canadá, Japão, Singapura, Nova Zelândia e Austrália.  
  • Médio risco (8-20%): Europa de leste e sul, Rússia, China, Israel, Caraíbas e África do Sul.  
  • Alto risco (20-90%): Médio Oriente, Sudoeste Asiático, América Central e do Sul, México e África;
  • Duração da estadia: o risco é maior até ao 12º dia diminuindo posteriormente;
  • Estilo / tipo de viagem: maior risco em viajantes independentes e em viajantes que visitam familiares e/ou amigos.

Relacionados com o viajante:

  • País de origem do viajante - maior incidência se oriundo de pais industrializado com elevado índice sanitário;
  • Idade – maior incidência em adultos jovens (15-30 anos)
  • Factores de risco genéticos ou patofisiológicos

Sinais e sintomas

A maioria dos sintomas ocorre nos primeiros 4-7 dias após a chegada, com 90% dos episódios nas primeiras 2 semanas. Em 90% dos casos há diarreia aquosa e em 3-30% dos casos há sinais de infecção invasiva.

A maioria dos doentes tem entre 3-5 dejecções por dia, com uma frequência de até 20 dejecções / dia. Outros sintomas incluem náuseas, vómitos, dor abdominal, cólica, tenesmo e urgência fecal. Podem ocorrer sintomas extra-intestinais como mialgias, artralgias e cefaleias.

A apresentação clínica não permite nenhuma associação com a causa, no entanto a diarreia de causa viral e bacteriana tem um inicio súbito dos sintomas, com um período de incubação de 6-72 h, enquanto que a protozoária tem um inicio mais gradual com um período de incubação de 1-2 semanas.

A maioria dos sintomas resolve sem tratamento ou complicações em 1-5 dias (resolução mais rápida se etiologia viral). Em 8-15% pode persistir por mais de uma semana ou evoluir para diarreia crónica (> 1 m) em 1-3% dos casos. A Giardia é o agente mais frequente de diarreia prolongada.

O que fazer

Prevenção

Higiene Alimentar: a maioria dos casos de DV resulta de ingestão de água / alimentos contaminados. Apesar da maioria das medidas de higiene alimentar não poder ser controlada pelo viajante, deve-se ainda assim aconselhar e educar para as precauções a ter com a ingestão de água e alimentos assim como para a lavagem frequente das mãos.

Os alimentos de risco e que devem ser evitados são alimentos crus ou mal cozinhados (legumes, fruta com casca, carne, peixe, ovos), não pasteurizados (leite, iogurte, queijos), vendidos em estabelecimentos de rua, servidos a temperatura ambiente, e água corrente ou produtos feitos com água corrente.

Vacinas: a vacinação eficaz para a DV é limitada pela variedade de agentes etiológicos e à data não existe nenhuma vacina especifica. A única vacina que confere alguma protecção é a vacina da cólera, disponível na Europa e Canada (eficácia preventiva limitada (7%) para a DV).

Probióticos: o uso de probióticos de forma preventiva é controverso devido à diversidade de estirpes, ao controle de qualidade, à duração e dosagem.

Antibióticos profilácticos: os antibióticos profilácticos não conferem protecção contra agentes não bacterianos e podem interferir com a microflora e microbioma intestinal, sendo de considerar apenas para viajantes de risco (imuno-comprometidos) em viagens de curta duração.

Tratamento

Tratamento

Hidratação oral e dieta: A ingestão oral de líquidos é essencial para prevenir e tratar a desidratação. Recomenda-se nos casos ligeiros, o aumento da ingestão hídrica com água ou outro líquido disponível e nos casos moderados / graves a ingestão de soro de hidratação oral (SRO). O SRO pode ter apresentação liquida (pronta a consumir) ou em pó (1 saqueta em 1 litro água fervida / tratada). Os lactentes em amamentação (leite materno / adaptado) devem mantê-lo e as crianças devem manter a sua dieta habitual. Não está recomendada nenhuma dieta restritiva.

Fármacos anti-secretores:

O seu uso não é recomendado em situações de diarreia com sangue ou febre (risco de íleus paralítico, colite, perfuração) nem em crianças com < 6 anos (efeito extrapiramidal). Não deve ser usado mais de 48 h.

Antibióticos: reduzem a duração dos sintomas e estão recomendados apenas nos casos moderados / graves de DV.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail