Menu

Introdução

Definição

Lepra, também conhecida por Doença de Hansen, é uma doença infecciosa crónica que afecta, principalmente, a pele, os nervos, as vias respiratórias e os olhos.

Devido às graves lesões da pele e deformidades na face, mãos e pés, que provoca, é uma das doenças que mais afastam do convívio social os que dela sofrem.

Frequência

Os menores de 1 ano de idade raramente são infectados; os adolescentes e adultos jovens são os mais predispostos a contrair a infecção.

A doença afecta principalmente os habitantes das regiões rurais e mais pobres da Ásia, América do Sul e África, sendo, actualmente, Índia, Indonésia, Bangladesh e Brasil os países onde a incidência e a prevalência são de longe mais elevadas, cerca de 75% dos casos.

Existem também casos indígenas nos Estados Unidos da América, nomeadamente nos estados do Texas, Luisiana e Hawaii.

A grande campanha para eliminação da doença iniciada na década 90 do séc. .XX, pela Organização Mundial de Saúde, conseguiu reduzir drasticamente o número de novos infectados – cerca de 763 000 em 2001 para cerca de 233 000 em 2012.

Causa

O seu agente é a Mycobacterium leprae, um microorganismo de desenvolvimento muito lento. A Mycobacterium leprae sobrevive vários dias no meio ambiente.

Infecções por contacto dentro do agregado familiar são estimadas em cerca de 30%.

O período que decorre entre a contracção da infecção e a manifestação da doença pode ir de 6 meses a 30-40 anos.

O modo de transmissão não está completamente esclarecido, mas parece ser evidente a passagem de infecção pessoa a pessoa, quer através das vias respiratórias por gotículas nasais infectadas, na larga maioria dos casos, quer por entrada directa através de lesões da pele.

Sinais e sintomas

Após contrair a infecção, as manifestações da doença dependem do grau de resposta do organismo do indivíduo afectado. Se há uma fraca resposta os microorganismos da lepra têm grande multiplicação e dão origem a sintomas e sinais graves. Inversamente, se há forte resposta, há pouca multiplicação das bactérias e as manifestações são menos intensas ou mesmo ausentes.

As manifestações iniciais são geralmente manchas claras ou placas com perda de sensibilidade; pode haver também, nódulos, pápulas ou infiltração espalhada pela pele; podem também ser detectados, por observação ou palpação, espessamento dos nervos das orelhas, cotovelos, punhos, tornozelos, etc.; as lesões produzidas nos nervos conduzem à perda de sensibilidade e da função motora local.

 Com a evolução, a doença provoca vários danos: cegueira; esterilidade; lesão da laringe, provocando rouquidão, do nariz e dos ossos. As destruições nos membros, nariz, etc. conduzem às grandes deformidades que levam à discriminação do doente.

Quando se deve pensar em lepra

  • Presença de manchas castanhas claras na pele, com perda de sensibilidade.
  • Visualização ou palpação de nervos que se dirigem para vários pontos do corpo.
  • O paciente deve procurar apoio médico.

Situações que se podem confundir com lepra

  • Várias doenças da pele provocadas por fungos.
  • Alterações da cor da pele que se seguem a certas inflamações.
  • Eczema.
  • Sífilis.
  • Doenças neurológicas diversas, incluindo as provocadas por diabetes.
  • Doenças malignas.
  • Intoxicação pelo chumbo.

Tratamento

Para o seguimento do doente pode ser necessária a participação de uma equipa multidisciplinar – cirurgia, oftalmologia, neurologia, ortopedia, psicologia.

Nas medidas gerais lembrar da protecção dos pés, utilizando calçados suaves, ex. ténis.

Deve ser delineado um plano a curto, médio e longo prazo para obter um tratamento correcto, que é sempre de vários meses, e para prevenção das incapacidades, deformidades e complicações neuropáticas.

Evolução / Prognóstico

Com terapêutica correcta e precoce a melhora é rápida.

Em cerca de 1% dos pacientes tratados a doença pode manifestar-se novamente dentro de 5 a 10 anos após fim da terapêutica; isto é atribuído à falha no cumprimento total do tratamento, que deve ser sempre prolongado.

Os pacientes deixam de ser contagiantes 72 horas após início de terapêutica e podem ter vida social normal.

As deformidades e incapacidades provocadas pela lepra há décadas, por falta de terapêutica, estão actualmente em franco decréscimo, podendo mesmo ser consideradas residuais em determinadas regiões dos países desenvolvidos.

Prevenção / Recomendações

A melhor prevenção é a detecção e tratamento precoce da doença na comunidade.

Observar atentamente e por período longo os agregados familiares em que foram detectados casos de lepra.

Ainda não existe vacina contra a lepra.

Vacinação com BCG confere protecção em 50% dos casos.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail