Menu

    Introdução

    A Epilepsia é refractária, quando é resistente ao tratamento com medicamentos. A região cerebral afectada aumenta com o número de crises, resultando num maior dano cerebral. A remoção cirúrgica da região onde se origina a crise epiléptica – zona epileptogénica – pode ser uma solução em casos de Epilepsia Refractária Focal. Apesar de poder não eliminar as crises por completo, muitas crianças irão ter uma melhoria significativa.

    É fundamental a correcta identificação da zona epileptogénica, para que seja removida, comprometendo ao mínimo o desenvolvimento cerebral da criança. A avaliação é feita por uma equipa de médicos de várias especialidades e, em alguns casos, são necessários exames da Medicina Nuclear (MN) para ajudar no diagnóstico.

    Na crise, a perfusão (sangue) na zona epileptogénica aumenta, bem como o consumo de glicose (açúcar); o contrário ocorre entre as crises, o que permite encontrar a zona epileptogénica, através dos exames de MN.

    Tipos de procedimentos / Principais indicações clínicas

    Exames

    Na epilepsia, os exames de MN realizados são a SPECT - Single Photon Emission Computed Tomography - de perfusão cerebral e a PET - Positron Emission Tomography - cerebral com um radiofármaco que permite avaliar o consumo de glicose. (1–3) Ajudam a localizar a zona epileptogénica, quer a Ressonância Magnética (RMN) encontre ou não uma alteração, e/ou quando os resultados dos outros exames forem discordantes.

    A SPECT pode ser realizada durante a crise (ictal) ou entre crises (inter-ictal). A PET é, geralmente, realizada apenas no período entre crises (inter-ictal).

    Em cada exame, é usada uma pequena quantidade duma substância radioactiva (radiofármaco), que é ajustada ao peso da criança e que não implica qualquer efeito secundário importante para esta, tanto a curto como a longo prazo, nem para os cuidadores.

    É fundamental a colaboração entre a família da criança e as equipas médica e técnica para o sucesso destes exames.

    Figura 1 - a) SPECT de perfusão ictal e b) PET com 18F-FDG de criança do sexo masculino, com 10 anos de idade e com epilepsia de início cerca de 6 meses antes. [Imagens cortesia do Serviço de Medicina Nuclear do CHUC]

    Glossário

    Epilepsia Refractária – epilepsia resistente ao tratamento com medicamentos.
    PET inter-ictal – Estudo de Medicina Nuclear que avalia o consumo de açúcar no cérebro, no período entre as crises epilépticas, com o objectivo de localizar a zona epileptogénica.
    SPECT ictal – Estudo de Medicina Nuclear que avalia a distribuição do sangue no cérebro, durante uma crise epiléptica, com o objectivo de localizar a zona epileptogénica.
    SPECT inter-ictal - Estudo de Medicina Nuclear que avalia a distribuição do sangue no cérebro, no período entre as crises epilépticas, com o objectivo de localizar a zona epileptogénica.
    Zona epileptogénica – zona do cérebro onde têm início as crises epilépticas.

    As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

    Mais informações.

    Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
    Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

    Envie as suas sugestões

    Newsletter

    Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail