Menu

Introdução

Definição

As ostomias de alimentação - gastro e jejunostomias - são aberturas criadas entre o estômago / jejuno e a parede abdominal, com o objectivo de alimentar um doente incapacitado de o fazer exclusivamente por via oral.

Permitem manter o aporte nutricional a médio e longo prazo, por via entérica (digestiva). Podem ser provisórias ou definitivas de acordo com a avaliação clínica e estado geral da criança, sendo realizadas em ambiente hospitalar.

Esta via é preferida em relação à nutrição parentérica (endovenosa), quando há impossibilidade de adequado aporte nutricional por via oral, uma vez que é mais fisiológica e acarreta menos complicações.

O tipo de ostomia e a técnica utilizada dependem do diagnóstico da criança, do seu estado geral e do objectivo que se pretende alcançar com a colocação da mesma.

As mais frequentemente colocadas em idade Pediátrica são as Gastrostomias Endoscópicas Percutâneas (PEG).

São efectuadas através de uma técnica pouco invasiva, de fácil execução, normalmente bem tolerada e com baixa incidência de complicações.

Quatro a seis semanas depois de ser colocada a primeira sonda, esta é retirada e substituída por uma sonda com balão. Nessa altura realiza-se a medição da espessura da parede abdominal para a posterior colocação do botão. Um botão gástrico é uma sonda de silicone transparente que é colocada através da pele do abdómen até ao estômago. A utilização de um botão gástrico permite uma melhor adaptação à PEG.

É um dispositivo que permite maior conforto e mobilidade da criança. É de fácil manuseamento, sendo mais prático e mais agradável esteticamente, causando menos incómodo á criança ostomizada.

É composto por três partes: A porção extragástrica, na qual se encontra a válvula para encher o balão e o orifício no qual se conectam as sondas de alimentação e a medicação, com uma tampa que permite fechar. A porção interparietal, que é o canal que liga a parte externa do botão com o balão interno, e a porção intragástrica, na qual se encontra o balão e a saída da alimentação. O balão funciona como um retentor interno que impede que a sonda saia.

Existem diferentes tamanhos que se adaptam à medida que a criança vai crescendo. Os botões ou sondas são substituídos quando danificados ou desadaptados ao crescimento da criança. A permanência da sonda de gastro / jejunostomia não tem período definido, sendo normalmente mantida a longo prazo, em função da necessidade de suporte nutricional da criança. A troca da sonda não é necessária por rotina e não tem intervalo de tempo definido na literatura, estando indicada em situações de complicação e à decisão de substituição a partir de critérios da equipe clínica nomeadamente por rutura, deterioração ou oclusão da sonda.

O que fazer

Indicações

São consideradas quando não é possível a alimentação por via entérica por períodos de tempo continuados e prolongados. Permitem um adequado aporte nutricional e o cumprimento de terapêutica por via oral quando existem alterações significativas no processo de deglutição por um período superior a 4 semanas.

Em idade pediátrica a realização de gastrostomias deverá ser sempre considerada quando existem graves dificuldades alimentares que afectem de forma significativa a progressão ponderal da criança.

As principais indicações são: dificuldade na ingestão oral, desnutrição, aspiração pulmonar recorrente e drenagem e descompressão gástrica (esta muito raramente).Estas situações podem ser decorrentes de malformações congénitas ou em patologias em que a diminuição do apetite, o aumento do metabolismo, vómitos recorrentes e fadiga extrema, causam desnutrição.

Nas dificuldades na ingestão oral, incluem-se crianças que sofrem de disfagia, normalmente por doenças neurológicas, principalmente a paralisia cerebral. Também pode haver indicação, nas dificuldades de deglutição devido a anomalias craniofaciais congénitas ou por traumatismos.

As crianças com doença oncológica, cardiopatias congénitas e doenças crónicas metabólicas, infecciosas (como o VIH), renais e pulmonares, têm indicação devido ao risco de desnutrição.

Nas perturbações do comportamento alimentar, também pode haver benefício com a colocação temporária destes dispositivos.

A utilização da sonda é importante não só na alimentação, mas também como forma de administração de medicação, especialmente em tratamentos prolongados com múltiplos fármacos, os quais, para além do seu elevado número, o seu sabor desagradável torna-os difíceis de ingerir, como por exemplo no caso da infecção por VIH.

Tratamento

Fase de gastrostomia com sonda

Cuidados à pele e estoma (orifício)

  • Lavar diariamente a pele em redor do estoma (orifício) com água morna e sabão líquido neutro com movimentos circulares de dentro para fora;
  • Secar a área com compressa, pano limpo ou cotonete de algodão sem exercer pressão ou friccionar;
  • Para uma limpeza mais eficaz, quando está sujo debaixo do anel de suporte externo, pode levantar-se ou rodar o anel, mas nunca na totalidade ou de forma brusca;
  • Não utilizar substâncias potencialmente irritantes para a pele, como cremes, álcool, perfumes ou sabões que não sejam neutros;
  • Vigiar integridade da pele e detectar qualquer alteração cutânea. Na presença de rubor, tecido de granulação ou exsudado em redor do estoma vigiar características e informar equipa clínica;
  • Colocar compressa de tecido não tecido entre a pele e o anel;
  • Não emergir a gastrostomia na fase inicial da sua colocação.

Cuidados com a sonda / PEG

  • Girar 360º a sonda e o anel de suporte no sentido dos ponteiros do relógio. A primeira rotação da sonda deve ser efectuada entre o 7º e 10º dias após a sua colocação e evita a aderência do dispositivo ao revestimento da mucosa gástrica e da pele;
  • Verificar se a tampa da sonda se encontra fechada, tendo o cuidado de assim a manter, sempre que a sonda não está a ser utilizada;
  • Certificar, antes de cada refeição ou administração de medicação, que a sonda está bem posicionada, verificando o comprimento desta, e a posição do anel de suporte externo;
  • De forma a prevenir a obstrução da sonda após cada refeição ou administração de medicação, instilar água suficiente para lavar a sonda e o adaptador. Administrar sempre os medicamentos em forma líquida;
  • Limpar cuidadosamente com água morna e sabão, a componente exterior da PEG ou seja, suporte externo, sonda e conecctor / adaptador da sonda;
  • Efectuar ligeira tracção da sonda até encontrar resistência. Evitar traccionar demasiado, pode causar dor e irritação da mucosa gástrica e assim prejudicar o processo de cicatrização. Fixar a sonda à pele com adesivo em forma de gravata;
  • Informar equipa clínica se a sonda for removida, em especial se for nos primeiros 15 dias após a sua colocação. Se existe trajecto fistuloso estabelecido, pode-se reinserir temporariamente uma sonda de Folley até que uma sonda de substituição seja colocada;
  • Substituir a sonda PEG quando danificada, pode durar para além de 1 ano (ter em conta as indicações do fabricante).

Cuidados após colocação do botão gástrico

  • Lavar diariamente a pele em redor e estoma com água morna e sabão líquido neutro, com movimentos circulares de dentro para fora;
  • Secar com compressa, cotonete de algodão ou pano limpo sem exercer pressão;
  • Limpar cuidadosamente o botão com cotonete;
  • Vigiar integridade da pele. Na presença de rubor, tecido de granulação ou exsudado em redor do estoma vigiar características, proteger a pele / estoma e informar equipa clínica;
  • Verificar funcionamento e integridade da sonda, se a tampa está fechada e se a válvula do botão está limpa. Caso exista, verificar abertura do clamp da sonda ou extensão;
  • Efectuar rotação do Botão da gastrostomia 1/4 de volta, várias vezes ao dia na primeira semana, de forma a evitar aderências e zonas de pressão. Após a primeira semana, efectuar rotação de 360º uma vez por semana;
  • Verificar o volume de água destilada no balão semanalmente, adequando o volume ao tamanho do balão, tendo em conta as indicações do fabricante da sonda / botão.
  • Após o período imediato de colocação do Botão, não se aconselha a colocação de compressa em redor do botão e são retomadas as rotinas habituais da criança efectuando a higiene como fazia anteriormente.
  • A dor pode ser uma manifestação relacionada com a migração da sonda, maceração da pele e formação de tecido de granulação. Reduz-se a sua ocorrência evitando a humidade do local de estoma e a sua movimentação devido a tensão excessiva ou atrito provocado pela sonda. Pode-se proteger a pele com vaselina ou utilizar protector cutâneo se necessário.

Precauções com a sonda

  • Lavar a sonda após cada utilização, clampar sem repuxar e substituir sempre a sonda nas datas previstas. Existem no mercado sondas de substituição.
  • Atenção especial deve ser considerada no caso de exteriorização acidental total da sonda, especialmente no domicílio, a qual pode acarretar a perda do estoma. Esta situação pode tornar-se uma complicação grave, pois pode levar ao desenvolvimento de peritonite ou celulite (principalmente nos primeiros meses após a colocação da sonda quando o estoma ainda não está bem formado) ou, nas crianças alimentadas exclusivamente pela sonda, implicar ausência de qualquer alimentação até que a sonda seja recolocada.
  • Se a sonda sair com o balão cheio, esvazia-lo e voltar a introduzir a sonda pelo estoma e voltar a enche-lo com a mesma quantidade de água. Se sair por ruptura do balão, voltar a introduzi-lo, em qualquer dos casos deve ser avaliado em unidade de Saúde de referência.
  • De acordo com a Norma nº 014/2016 de 28/10/2016 da DGS Portuguesa, actualizada em 03/03/2017 “Em caso de exteriorização da sonda / botão:
  • Lavar a área do estoma e pele circundante com água “morna” e sabão neutro;
  • Esvaziar o balão e voltar a introduzir a sonda.
  • Na impossibilidade de reintroduzir a sonda, tapar estoma com penso fechado e recorrer observação médica o mais rapidamente possível, num período de 4 horas pós exteriorização.”

Cuidados com as extensões de alimentação

  • O botão tem dois tipos de extensões, uma mais grossa para os alimentos triturados, outra mais fina, para os líquidos e para a medicação.
  • É necessário limpar todos os dias com água tépida e sabão neutro. Limpar bem todo o material externo utilizando água e sabão. Limpar a sonda ou extensão do botão instilando água, antes e depois da sua utilização. Após cada utilização, passar lentamente com água pelas extensões, até que não fiquem resíduos.

Administração da alimentação e medicação

Alimentação

  • A técnica de alimentação por gastrostomia pode ser efectuada por gavagem, que permite a administração de determinados volumes por acção da gravidade, ou por débito contínuo, que permite a administração de volumes calculados em períodos de tempo determinados.
  • A alimentação deve ser iniciada logo que possível com refeições regulares, na concentração e débito prescritos.
  • Deve ser administrada à temperatura ambiente. Se estava no frigorífico, deve ser retirada uma hora antes, evitando assim aquecer os alimentos.
  • A refeição é um momento importante para a criança, pelo que esta deverá estar confortável e num ambiente adequado à administração de alimentos.
  • A criança deverá esta em posição de sentada, ou ao colo (mínimo com inclinação de 30 a 45º),sendo conveniente manter esta posição uma hora após a alimentação.
  • Caso não seja possível sentar a criança, posiciona-la em lateral direito de forma a favorecer o esvaziamento gástrico, e administrar a alimentação mais lentamente.
  • Ligar a sonda ou a extensão ao botão e verificar correcto posicionamento da sonda no estômago ou jejuno e presença de resíduo gástrico;
  • Administrar os alimentos, por gavagem através de seringa de 100 ml. A administração dos alimentos com seringa não deve ser rápida, devendo demorar entre 15 a 30 minutos.
  • Se necessário fazer pressão positiva para administrar alimentos com maior consistência efectuando pausas frequentes.
  • Quando por débito contínuo, adaptar ao sistema de infusão programando o ritmo e quantidade a infundir.
  • Observar a criança durante a alimentação tendo em atenção as possíveis complicações nomeadamente, vómitos, náuseas e distensão abdominal.
  • Detectar sinais de distensão abdominal, náuseas e/ou dor. Vigiar conteúdo gástrico e drenar o mesmo caso haja distensão abdominal. Vigiar eliminação intestinal.
  • Após administração lavar a sonda com água e desadaptar o dispositivo de extensão para alimentação.
  • No intervalo das refeições administrar água, tendo em conta a idade e tamanho da criança, de forma a mantê-la hidratada.

Medicação

  • Os comprimidos podem ser administrados após serem triturados a dissolvidos em 5 a 10 ml de água.
  • Administrar primeiro as fórmulas mais líquidas e deixar as mais densas para o final.
  • Nunca misturar na seringa vários medicamentos. Administrar individualmente cada um dos diferentes medicamentos;
  • Administrar água pela sonda / extensão do botão antes e após a administração de medicação e entre cada medicamento diferente;
  • Os comprimidos de libertação lenta não se podem triturar. Caso sejam prescritos, pedir ao médico para alterar a prescrição.
  • Diluir os medicamentos com água destilada ou fervida;
  • Limpar a sonda com água antes e após a administração da medicação.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail