Menu

Introdução

Definição

A dor abdominal crónica (DAC) define-se como uma dor que tem uma duração de mais de 1 mês. Esta definição engloba a dor abdominal recorrente (DAR) que se define como a presença de pelo menos 3 episódios de dor abdominal suficientemente fortes que interfiram nas actividades de vida diária durante um período não inferior a 3 meses consecutivos, sem doença grave associada.

Frequência

A dor abdominal crónica é cada vez mais frequente, sendo um motivo frequente de consulta. Tem maior prevalência no sexo feminino.

Afecta cerca de 15% das crianças, sendo que apenas uma percentagem muito reduzida tem doença associada.

Causa

A causa pode ser multifactorial e como referido anteriormente em raros casos está associada a doença. Assim temos três tipo de dor abdominal crónica:

  1. Dor abdominal orgânica é uma dor abdominal com causa objetivável, isto é, doença associada (como por exemplo doença de Crohn, doença celíaca, doença de refluxo gastro-esofágico)
  2. Dor abdominal psicossomática é uma dor psicológica
  3. Dor abdominal funcional é uma dor com sinais e sintomas gastrointestinais mas sem doença orgânica associada. Esta pode dividir-se em 4 categorias:
    1. Dispepsia funcional
    2. Síndrome do intestino irritável
    3. Enxaqueca abdominal
    4. Dor /Síndrome abdominal funcional

Sinais e sintomas

Consoante a causa da dor abdominal crónica, os sintomas são diferentes.

Os pais devem estar particularmente atentos à presença de sinais e sintomas de alarme (explicitados na tabela 1) uma vez que estes podem indicar doença orgânica.

Tabela 1. Sinais de alarme 

Localização não peri-umbilical

Irradiação para costas ou para membros (braços e pernas)

Dor persistente na parte direita do abdómen

Mudança nas características da dor

Sangue nas fezes

Diarreia à noite

Náuseas ou vómitos “verdes” persistentes

Dificuldade a engolir

Acordar de noite com a dor  

Febre inexplicável

Dor nas articulações

Perda de apetite

Antecedentes familiares de doença de Crohn, colite ulcerosa, doença celíaca ou úlcera péptica

Sendo os pais, os principais cuidadores e com melhor conhecimento dos filhos, devem tentar perceber se há factores desencadeantes (na escola ou mesmo alguma situação familiar traumática) que possam estar a causa a dor. Se sim, poderá tratar-se de uma dor psicossomática.

A dor pode ser funcional. Se presença de dor de “estômago”, enfartamento, arrotar frequente ou enjoos e vómitos, pelo menos uma vez por semana, em 2 meses consecutivos, pode tratar-se de dispepsia funcional.

Por outro lado, a dor abdominal pode estar associada a alterações nas dejecções, quer diarreia, quer obstipação e usualmente é uma dor que alivia com dejecção. Neste caso, é mais provável trata-se de um síndrome de intestino irritável.

A enxaqueca abdominal implica a presença de dor abdominal peri-umbilical intensa com duração de pelo menos 1 hora, interferindo nas actividades de vida diária e associada a outros sintomas como perda de apetite, enjoos, vómitos ou dor de cabeça. Não é constante e pode haver períodos de semanas e meses livre de dor. Para este diagnóstico, este tipo de dor deve acontecer pelo menos 2 vezes no espaço de 1 ano.

Numa dor/síndrome abdominal funcional, a dor abdominal é contínua ou episódica, ocorre pelo menos 1 vez por semana, pelo menos nos 2 meses prévios ao diagnóstico e sem critérios para as outras causas dor funcional.

O que fazer

Se presença de sinais e sintomas de alarme (tabela 1) deve procurar-se ajuda médica com brevidade.

No caso de parecer tratar-se de dor abdominal funcional, isto é, dor prolongada sem sinais de alarme, os pais devem começar por fazer um calendário da dor. Este deve incluir localização da dor, se é em cólica ou constante, duração, frequência, altura do dia em que ocorre, factores agravantes (por exemplo, alimentos) ou aliviantes (por exemplo, medicação analgésica) e sintomas associados.

Se a dor persistir, deve então recorrer ao médico assistente.

Os pais, neste tipo de dor, têm um papel determinante de manter a criança calma, uma vez, que isso por si só pode diminuir os episódios e intensidade da dor.

Tratamento

Se causa orgânica, o tratamento deve ser orientado pelo especialista.

Se psicossomática, os pais podem procurar terapias comportamentais ou mesmo actividade extra-curriculares (como exercício físico, pintura, entre outros) de modo a diminuir o stress e ansiedade da criança melhorando a dor.

Se funcional, os pais não devem desvalorizar a dor, mas devem explicar que não existe uma doença associada.

O tratamento deste tipo de dor é multifactorial e inclui:

  • Medidas dietéticas – evitar ingestão de alimentos que a desencadeie, síndrome do intestino irritável (neste síndrome deve ser excluída doença celíaca), ou aumentar as fibras, nas crianças com tendência a obstipação.
  • Tratamento farmacológico – deve ser realizado apenas por indicação médica e em casos muito seleccionados.
  • Medidas psicossociais - são a parte mais importante do tratamento, incluem distracções, técnicas de relaxamento muscular, apoio com Psicólogo(a).

Evolução / Prognóstico

A maioria dos casos de dor abdominal crónica, tendem a desaparecer com o tempo e a deixarem de ser preocupação para os pais e as crianças.

Todavia, numa minoria dos casos a dor pode persistir durante vários anos. Além disso, a sintomatologia pode ser frequente e intensa, o que pode interferir negativamente na qualidade de vida e ter grande impacto na família e na história psicossocial da criança.

Prevenção / Recomendações

É importante que os pais tenham uma boa relação com os seus filhos, falem abertamente do problema e acima de tudo não desvalorizem a dor sentida pelas crianças.

Devem também ajudar a proporcionar as melhores condições para que os episódios de recorrência da dor sejam o menos frequente possíveis.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail