Menu

Introdução

Definição

Variação cíclica da produção hormonal pelos ovários, com consequente modificação das características do endométrio (revestimento do interior do útero).

Na ausência de gravidez, ocorre hemorragia vaginal, que define o início de cada novo ciclo. O dia antes da hemorragia seguinte marca o fim do ciclo.

Frequência

A cada 21-35 dias, em média a cada 26-30 dias.

Causa

Variação cíclica da produção hormonal pelos ovários.

Sinais e sintomas

Sempre: Hemorragia vaginal periódica de intensidade variável (periodicidade variável entre cada mulher, e, para a própria, o intervalo entre cada menstruação também pode variar)

Eventualmente: tensão mamária, cefaleias, dor pélvica

O ciclo menstrual divide-se em 2 fases.

Na 1ª fase desenvolvem-se no ovário vários folículos, sendo que um deles, o dominante, acabará por dar origem ao óvulo que será expulso do ovário, um fenómeno conhecido como “ovulação”. Ao mesmo tempo, no útero, desenvolve-se a camada interna, em preparação para a receção de um embrião, caso haja fecundação.

A ovulação marca a passagem da 1ª para a 2ª fase do ciclo e corresponde à libertação do óvulo pelo ovário, permitindo a fecundação.

Na 2ª fase, a partir das células do folículo dominante que permaneceram no ovário, forma-se o corpo amarelo, a estrutura responsável pela produção hormonal que que assegurará a continuação do desenvolvimento da camada interna do útero, em preparação para uma gravidez.

Caso não haja fecundação, o corpo amarelo involui, diminui a produção hormonal e as células da camada interna do útero começam a descamar e a serem expulsas do interior do útero através do colo do útero e da vagina, sendo esse conteúdo uterino expulso para o exterior aquilo a que se chama menstruação (também designada por “período”, “regra”, etc).

Por convenção, o primeiro dia da menstruação é o primeiro dia do ciclo, mas na verdade corresponde ao fim de um processo de produção hormonal e desenvolvimento do útero em preparação para uma gravidez que não ocorreu.

Quando se está sob o efeito de contracetivos orais combinados (a tomar a “pílula”), o ciclo menstrual está suprimido porque as hormonas normalmente produzidas pelo ovário são substituídas pela pílula, logo o cérebro não estimula a sua produção pelos ovários. Como não há produção hormonal ovárica, não há desenvolvimento folicular, logo não há ovulação e o desenvolvimento da camada interna do útero é limitado, pelo que também não há menstruação, mas apenas uma hemorragia de privação quando se suspende a pílula.

Se se estiver a tomar a pílula não é necessário, nem aconselhável, fazer “descanso da pílula”, a não ser que seja indicado pelo médico, e não há nenhum efeito negativo na fertilidade futura, sendo a fertilidade retomada no ciclo imediatamente seguinte à paragem da “pílula”.

O que fazer

Trata-se de uma situação fisiológica, pelo que não é necessário tomar nenhuma atitude, a não ser que os sintomas associados levem a patologia (ex: anemia por hemorragia abundante) ou interfiram na qualidade de vida da mulher.

Evolução / Prognóstico

A menstruação e a capacidade de ovular marca o final da puberdade nas meninas. A par do desenvolvimento dos órgãos sexuais femininos, dá-se o desenvolvimento mamário (telarca) e da pilosidade púbica (pubarca), bem como o pico da velocidade de crescimento.

Uma mulher tem em média 400 ciclos menstruais ao longo da vida.

É normal ter ciclos irregulares nos primeiros 2 anos após a menarca e nos últimos anos antes da menopausa.

A última menstruação designa-se por menopausa, e é diagnosticada a posteriori, após 12 meses sem nova menstruação.

A menopausa acontece, na maioria das mulheres, entre os 45 e os 55 anos.

Prevenção / Recomendações

Aquando da menarca (primeira menstruação) agir naturalmente, explicar que se trata de algo normal e esclarecer as dúvidas que a menina/adolescente tenha.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail