Menu

Introdução

INTRODUÇÃO

As Infecções Sexualmente Transmissíveis, ISTs, caracterizam-se por serem doenças provocadas por bactérias, vírus ou parasitas que se contagiam pela via sexual. Pela grande diversidade de agentes que podem causar estas infeções, podem manifestar-se de forma diversa e ter diferentes consequências na saúde.

Durante a adolescência pode existir maior risco de ter infeções sexualmente transmissíveis, sendo importante a prevenção e o tratamento na fase inicial.

SINTOMAS

A exposição a um agente microbiano transmitido por via sexual pode ter vários resultados, desde não se manifestar até apresentar-se com vários sintomas locais e/ou gerais.

No sexo masculino pode ocorrer o aparecimento de um corrimento pelo orifício onde sai a urina, comichão ou ardor ao urinar.

No sexo feminino, pode manifestar-se com o aparecimento de corrimento vaginal com cor amarelada ou esverdeada, com cheiro, comichão ou ardor ao urinar.

Existem manifestações que são independentes do facto de se ser homem ou mulher, como o aparecimento de uma ou mais borbulhas com ou sem líquido, uma ou mais feridas na zona à volta dos genitais, boca ou ânus, com ou sem exsudato. 

O que fazer

É importante que os adolescentes sexualmente ativos tenham consultas regulares de forma a ser possível identificar-se infeções que possam não dar sintomas.

Por outro lado, é útil que os adolescentes reconheçam os sintomas e sinais de infeções sexualmente transmissíveis e que recorram ao seu médico de forma a tomarem o tratamento direcionado à causa da infeção e também para se esclarecer outras possíveis situações que possam ser confundidas com infeções.

A consulta com o profissional de saúde é confidencial e os adolescentes poderão ser questionados sobre as práticas sexuais, número de parceiros, sintomas, entre outros. Por vezes, existe a necessidade de observar as lesões e colher pequenas amostras.

Tratamento

O diagnóstico das infeções sexualmente transmissíveis tem como objetivo identificar a causa da infeção, para o tratamento poder ser dirigido especificamente ao causador da doença.
O tratamento deve ser recomendado por um profissional de saúde de forma a que a infeção seja tratada correctamente, evitando a toma de medicamentos sem benefício.

A toma de medicamentos não recomendados por um profissional de saúde pode mascarar os sintomas e não tratar completamente as infeções, pelo que devem ser mencionados na consulta todos os medicamentos que o adolescente já tomou.

Evolução / Prognóstico

Após o tratamento, as infeções por bactérias geralmente são curadas e os sintomas regridem. Contudo, a infeção por estes agentes não dá proteção imunitária para o futuro, ou seja, após o tratamento, caso não se alterem os comportamentos de risco, a mesma doença pode novamente acontecer com os mesmos patogéneos.

Para além disso, existem situações em que não existe tratamento definitivo e não é possível eliminar os patogéneos, por isso, a infeção fica para toda a vida. É o caso da infeção pelo vírus herpes, em que após a infeção, existem períodos em que o vírus se manifesta e outros em que não há sintomas. Em qualquer uma destas fases pode existir transmissão ao parceiro sexual.

Finalmente, a infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) é particularmente problemática porque, apesar de existir tratamento adequado, a infeção não é erradicada e pode ter consequências a longo prazo prejudiciais para a toda a saúde.

Prevenção / Recomendações

A prevenção das ISTs apenas é eficaz com a utilização do preservativo que deve ser usado em todo o tipo de práticas sexuais. Caso o adolescente tenha dúvidas na sua utilização ou de qualquer outro tópico, é importante que as esclareça junto do seu médico ou outro profissional de saúde habilitado

Saber Mais

  • Doença Inflamatória Pélvica
  • Gonorreia
  • Herpes Genital
  • HPV – Papiloma vírus humano
  • Infeção por Clamídia
  • Sífilis
  • Tricomoníases

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail