Menu

Introdução

O que é uma tomografia computorizada (TC), também designada por TAC?

A TC é um exame médico de diagnóstico que permite obter imagens de cortes anatómicos do corpo humano e assim estudar os órgãos internos, a sua morfologia e densidade e detectar eventuais anomalias.

Esta técnica de imagem utiliza raios-X, pelo que há um cuidado rigoroso na escolha do equipamento e protocolos com o objectivo de serem usadas doses de radiação muito baixas e adaptadas à idade pediátrica.

Porque se faz uma TC?

A TC demonstra com grande detalhe anatómico estruturas internas do corpo humano, não suficientemente visualizadas com outras técnicas, tais como a radiografia e ecografia.

Possibilita detectar lesões de determinados órgãos, pela alteração da sua densidade e morfologia e conduzir ao diagnóstico.

Tem a vantagem de ser uma técnica de imagem rápida, sendo particularmente usada em situações de urgência.

Como se realiza uma TC?

Quais os profissionais que intervêm no exame?

  • Um conjunto de três ou quatro pessoas participam na realização do exame TC:
  • O técnico de radiologia (executa o exame)
  • O enfermeiro (prepara a criança para o exame, punciona uma veia e administra a medicação necessária para a sedação ou anestesia)
  • O médico anestesiologista (quando necessário procede à sedação ou anestesia mais profunda)
  • O médico radiologista (orienta o exame, interpreta as imagens e elabora o relatório).

Preparação para o exame

a) Seguir as instruções específicas para o exame

  • A sua criança deve vir em jejum de 4 a 6 horas consoante a idade e o tipo de exame.
  • Se tiver exames anteriores relacionados com a patologia em causa, deve trazer consigo.

b) Responder com atenção ao questionário

  • Será recolhida informação sobre a medicação que a sua criança está a tomar, história de alergias, reacções prévias ao contraste endovenoso ou oral se for o caso, existência de patologia da tiróide, cardíaca e renal, asma e diabetes.
  • Qualquer um destes aspectos pode influenciar a forma como o médico radiologista opta por fazer o exame.

c) TC com contraste

  • Por vezes é necessário administrar por uma veia um líquido especial, o contraste endovenoso, para se obter um exame TC com características adicionais que permite obter mais informação.
  • Para certos exames (estudo abdominais e pélvicos) pode ser necessário beber um contraste oral que será dado no serviço de radiologia. Também pode ser necessário introduzir contraste no intestino através de um clister.

d) Sedação / anestesia

  • Como os exames são rápidos, a maioria das crianças consegue ficar quieta o tempo necessário para que este seja feito. Para alguns tipos de exame, movimentos ligeiros do corpo não afectam de forma relevante a qualidade das imagens, enquanto que para outros não é permitido qualquer movimento.
  • Dependendo destes factores e da idade da sua criança, pode ser necessária sedação ou anestesia. Nestes casos o médico anestesiologista intervém para a realização da sedação / anestesia.

Durante o exame

A TC é um exame indolor e rápido. O exame em si não causa dor, mas a sua criança pode sentir algum desconforto por ter que ficar quieta durante a sua realização.

O técnico de radiologia começa por posicionar a criança na mesa do aparelho de TC, habitualmente com as costas na mesa. Almofadas ou tiras de tecido podem ser necessárias para ajudá-la a manter a posição correcta.

Após estes passos, o técnico de radiologia vai para uma sala adjacente, de onde vê e ouve a criança, e a partir daí irá comandar a máquina para efectuar o exame.

O técnico de radiologia pode pedir à criança que contenha a respiração alguns segundos, especialmente se for um exame ao tórax.

Se for injectado contraste endovenoso, durante o exame de TC a criança poderá ter uma sensação de calor e sentir um sabor metálico na boca, de forma transitória.

Os pais podem ficar dentro da sala de TC. Caso esteja grávida, terá que avisar o técnico de radiologia e não poderá ficar na sala.

Após o exame

Se a sua criança receber alguma sedação ou for anestesiada, ficará no serviço de radiologia até recuperar o seu estado de consciência e ter alta, podendo depois retomar a sua actividade habitual e seguir algum conselho que lhe seja dado.

Já em casa, caso surja vermelhidão cutânea / comichão ou borbulhas deverá recorrer a um serviço de urgência.

O médico radiologista irá interpretar as imagens do exame e elaborar um relatório, que ficará disponível para o seu médico assistente. Este, após ler o relatório do exame falará consigo acerca dos resultados do mesmo.

Prevenção / Recomendações

Explicar à sua criança o exame

Explique ao seu filho o que irá acontecer ao realizar a TC. Explique o que ele irá ver, sentir, que deve ficar quieto e que ficará junto dele durante o exame.

Quais os riscos?

A injecção de contraste endovenoso é usual e bem tolerada.

Podem no entanto surgir reacções alérgicas, como com qualquer medicamento.

Na maioria são transitórias e sem gravidade (vermelhidão, borbulhas e comichão).

Reacções alérgicas graves com perturbações cardio-respiratórias são raras e necessitam de intervenção médica adequada. O serviço de radiologia está preparado para essas eventualidades.

A TC é um tipo de exame que utiliza raios - X, cujos efeitos estão descritos na secção de introdução.

A reter
  • A TC é um exame de diagnóstico por imagem rápido e indolor que utiliza raios-x e fornece informação detalhada dos órgãos internos.
  • Pode ser necessário anestesia / sedação.
  • Esteja atento(a) para que a sua criança realize o jejum indicado; responda com atenção ao questionário que lhe é feito antes do exame TC.
  • O médico radiologista interpreta as imagens e elabora o relatório que ficará disponível para o seu o seu médico assistente.
  • O seu médico assistente irá discutir os resultados da TC consigo.

 

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail