Menu

Introdução

Definição

A hipoglicémia do recém-nascido (RN) é uma situação clínica caracterizada por uma diminuição dos níveis de açúcar no sangue do bebé apos o nascimento. É normal uma diminuição dos níveis de açúcar nas primeiras horas de vida em todos os recém-nascidos, mas normalizam após este ser alimentado com leite materno ou de fórmula. 

Em recém-nascidos com fatores de risco para hipoglicémia (prematuros, filhos de mãe diabética, entre outros) pode haver necessidade de vigilância e/ou terapêutica até à estabilização dos valores de açúcar no sangue, que geralmente ocorre até às 48-72 horas (hipoglicémia transitória). Se, mesmo assim, a hipoglicémia persistir (hipoglicémia persistente), a criança pode necessitar de tratamento específico e internamento numa unidade de neonatologia.

Detectar a hipoglicémia em recém-nascidos de risco é fundamental, uma vez que o normal funcionamento do cérebro está dependente do nível de açúcar no sangue, a sua principal fonte de energia. Baixos níveis de açúcar no sangue dificultam a função cerebral, podendo mesmo ocorrer lesões cerebrais, se estes valores não forem corrigidos atempadamente.

Frequência 

A hipoglicémia neonatal transitória constitui o problema do metabolismo mais frequente no recém-nascido. Estima-se uma incidência de 2-3 casos por cada 1000 nados-vivos, sendo superior em grupos de risco. 

Causas e fatores de risco

As situações clínicas associadas à ocorrência de hipoglicémia no recém-nascido, podem estar relacionadas com o parto, com a mãe ou com o próprio recém-nascido. Dependendo da situação clínica, a hipoglicémia pode ocorrer por:

  • Diminuição do aporte de açúcar oral
  • Diminuição do armazenamento de açúcar
  • Consumo excessivo do açúcar armazenado
  • Inibição da utilização do açúcar disponível. 

Assim, os recém-nascidos em maior risco de desenvolver hipoglicémia são:

  • Filhos de mães diabéticas, quando a fonte de açúcar no sangue (via cordão umbilical) deixa de existir e a produção aumentada de insulina do recém-nascido metaboliza o restante açúcar no sangue
  • RN grande para a idade gestacional (peso nascimento superior ao percentil 10)
  • Filhos de mães com nutrição inadequada
  • Filhos de mãe que tomaram determinados medicamentos durante a gravidez (corticóides, propanolol, tiazidas, entre outros)
  • RN pequeno para a idade gestacional (peso nascimento inferior ao percentil 10) ou com restrição do crescimento por menos reservas de açúcar no sangue
  • Prematuros, especialmente os com baixo peso ao nascer, habitualmente com menor reserva de açúcar e uma função mais imatura do fígado (onde o açúcar é armazenado)
  • Com doença hemolítica grave (incompatibilidade entre o sangue da mãe e do recém-nascido) ou com infeções
  • Partos complicados por hipoxémia prolongada (diminuição do suprimento de oxigénio) ou mesmo asfixia (privação de oxigénio)
  • Com instabilidade térmica (por exemplo, arrefecimento acentuado).

Sinais e sintomas

O recém-nascido apresenta-se frequentemente assintomático, no entanto, alguns desenvolvem sintomas, que incluem:

  • Tremores
  • Fraqueza muscular 
  • Irritabilidade
  • Sonolência 
  • Pele de cor azulada e/ou fria
  • Dificuldade respiratória (respiração muito rápida/paragens respiratórias)
  • Dificuldade alimentar (pouco interesse a mamar; má sucção na mama ou no biberon)
  • Convulsões

Se o seu filho recém-nascido apresentar estes sintomas deverá ser observado por um médico logo que possível.    

O que fazer

Considerando que, a maioria dos casos de hipoglicémia, é transitória e assintomática, é necessário um exame com capacidade de rastrear nos recém-nascidos de risco, assim como nos que apresentam sintomas, a presença ou não de hipoglicémia. 

Deste modo, utiliza-se com este intuito, um exame que avalia os níveis de açúcar no sangue (o teste da “gotinha”), cuja designação médica é o exame de glicemia capilar. Este exame é muito rápido e o desconforto que causa ao RN é mínimo. Os médicos pedem este exame quando o recém-nascido apresenta sintomas ou factores de risco para hipoglicémia. 

São considerados anormais os níveis de açúcar no sangue inferiores a 36mg/dL se for um recém-nascido de risco (com ou sem sintomas) e inferiores a 45mg/dL se for um RN com sintomas, nas primeiras horas de vida, havendo uma tendência para estes níveis estabilizarem em valores entre 70-100mg/dL às 48-72 horas de vida.

Se o seu filho tiver fatores de risco para hipoglicémia, habitualmente será feita uma determinação dos níveis de açúcar no sangue, pelo exame simples da glicemia capilar, cerca de 30 minutos após a 1ª refeição ou até à 2ª hora de vida. Posteriormente, irá manter-se esta determinação de 6-6 horas, antes de cada refeição, durante 24 horas. 

Tratamento

O tratamento da hipoglicémia do recém-nascido é, inicialmente, alimentá-lo. Deve ser oferecido, idealmente, o leite materno (se não é possível: o leite de fórmula) a todos os recém-nascidos, logo que possível, após o nascimento. Deve ser incentivado o contacto pele-a-pele com a mãe, o qual proporciona maior estabilidade térmica e auxilia a amamentação precoce no recém-nascido. Esta indicação, é ainda mais importante, nos recém-nascidos com fatores de risco para hipoglicémia. Neste último grupo, depois da primeira refeição, será realizado um exame de glicemia capilar para monitorizar os níveis de açúcar no sangue.

Se o recém-nascido mantiver níveis baixos de açúcar no sangue após a 1ª refeição de leite, existem várias opções terapêuticas. Numa fase inicial, o médico opta habitualmente por oferecer uma solução de água com açúcar (soro glicosado a 10%) ou novamente o leite materno ou de fórmula, inicialmente tenta-se pela boca (via oral) e, se não for possível, é utilizado um tubo que é introduzido pelo nariz e vai até o estômago (sonda naso-gástrica).

Se estas medidas iniciais forem ineficazes, os médicos podem necessitar de administrar fluídos com açúcar através de um tubo fino que é inserido numa veia, isto é, por via endovenosa, a qual permite que o açúcar chegue diretamente à corrente sanguínea. A terapêutica via endovenosa, implica o internamento do recém-nascido, numa unidade de neonatologia, onde possa ser feita uma monitorização e vigilância mais apertada. Os níveis de açúcar no sangue são sempre monitorizados após as medidas terapêuticas tomadas, para constatar se há ou não resolução da hipoglicémia. 

Na maioria dos recém-nascidos, como a hipoglicémia é transitória, as medidas terapêuticas são necessárias por um curto período de tempo. Se a hipoglicémia persistir após as 48-72 horas de vida, será possível que o médico peça mais exames para determinar se existe alguma doença genética subjacente. 

Evolução / Prognóstico

Se a hipoglicémia é detectada atempadamente e tem uma boa resposta ao tratamento, o prognóstico é muito bom. São consideradas hipoglicémias transitórias do recém-nascido e, regra geral, não se voltam a repetir. 

As hipoglicémias refratárias ao tratamento e/ou persistentes, mais raras, podem resultar em convulsões e lesões cerebrais graves e, como tal, sequelas neurológicas futuras. No entanto, não se sabe o valor abaixo do qual nem a duração acima da qual, a hipoglicémia se torna prejudicial a nível cerebral. 

Prevenção / Recomendações

São consideradas medidas preventivas: a alimentação precoce do recém-nascido na 1ª hora de vida, idealmente, com leite materno e a realização do pele-a-pele com a mãe, logo após o nascimento.

No caso de mães com diabetes gestacional: manter um bom controlo dos valores de açúcar no sangue durante a gravidez, pode diminuir o risco de hipoglicémia no recém-nascido. 

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail