Menu

Introdução

Considera-se o diagnóstico de Perturbação do Desenvolvimento da Linguagem (PDL) face à criança que apresenta dificuldades persistentes na aquisição e utilização da linguagem e sempre que as competências linguísticas sejam inferiores ao expectável para a idade.

Pode ocorrer isoladamente ou coexistir com outras perturbações ou patologias, durante o neurodesenvolvimento da criança e não são atribuíveis a outras patologias, de que são exemplo os défices sensoriais, perturbações motoras ou neurológicas, anatómicas (malformações congénitas da face como o lábio leporino e ou fenda palatina).

Condicionam uma limitação funcional na comunicação, participação social e ou desempenho académico.

Sinais e sintomas

A estimulação da linguagem inicia-se logo após o nascimento: deve-se falar com o bebé, cantar para ele, estabelecer contacto visual e mostrar diferentes expressões faciais, relacionando-as com os estados emocionais.

A aquisição da linguagem inicia-se no primeiro ano de vida, através do desenvolvimento da percepção e compreensão da fala e posteriormente através da produção de vocalizações simples, posteriormente de vocalizações cada vez mais diferenciadas e finalmente das primeiras palavras e frases.

Assim, entre os 2 e os 5 meses a criança palra em resposta à voz humana; entre os 10 e os 11 meses começa a imitar sons e a dizer “mamã” e “papá” ou outros dissílabos sem significado; aos 12 meses diz a primeira palavra com significado e imita palavras de duas a três sílabas; entre os 13 e 15 meses apresenta um vocabulário de quatro a sete palavras e faz jargão (palavreado próprio); entre os 16 e 18 meses diz 10 palavras, manifesta alguma ecolalia (repete sons que ouve) e jargão exuberante; entre os 19 e 21 meses o vocabulário aumenta para 20 palavras e cerca de 50% da fala é compreendida por estranhos; entre os 22 e 24 meses diz mais de 50 palavras e faz frases telegráficas de duas palavras; entre os 3 e 4 anos é capaz de construir frases de três a seis palavras, coloca questões, conversa, relata experiências e conta histórias, sendo quase toda a fala percebida pelos estranhos.

Contudo, existe uma variabilidade muito grande na emergência da linguagem e é necessário avaliar globalmente a criança no seu enquadramento familiar, social e cultural.

São considerados sinais de alarme: falta de interacção ou interesse na comunicação antes dos 8 meses (contacto ocular); ausência de palreio aos 8 meses, de emissão de qualquer palavra aos 18 meses; não associar duas palavras, não imitar sons ou palavras com intenção comunicacional e ausência de jogo simbólico aos 2 anos; não fazer frases ou apresentar uma discurso ininteligível aos 3 anos.

O que fazer

Os lactentes ou crianças com manifestações sugestivas deverão ser encaminhadas para consulta médica direccionada para o diagnóstico da perturbação e exclusão / diagnóstico diferencial de outras possíveis patologias, preferencialmente observação e avaliação global em consulta de pediatria do neurodesenvolvimento e posterior avaliação por terapeuta da fala com experiência em áreas pediátricas (pediatria, neuropediatria, pedopsiquiatria).

Tratamento

O tratamento consiste essencialmente em sessões de terapia da fala, sendo igualmente importante que a família e os docentes facilitem e colaborem com a terapeuta, reproduzindo algumas das técnicas em meio natural de vida.

Assim, é importante comunicar com a criança de forma clara, usando frases simples e curtas, incentivar a criança a comunicar, mostrando interesse naquilo que ela faz, realizar jogos dirigidos ao domínio da linguagem promover o interesse pelos livros e a leitura.

Evolução / Prognóstico

Até aos 3 anos, atrasos ligeiros nem sempre evoluem para uma PDL e com a intervenção adequada podem ser ultrapassados. A partir dos 4 anos, o diagnóstico torna-se mais estável, a habilitação e desenvolvimento da linguagem mais difícil, sendo que uma perturbação diagnosticada e intervencionada nesta idade tem risco acrescido de persistir ao longo da vida.

O prognóstico vai depender de múltiplos factores, como, por exemplo, a precocidade do diagnóstico, o tipo de perturbação presente e a existência de comorbilidades, o grau de défices noutras áreas do neurodesenvolvimento, do apoio familiar e da qualidade e oportunidade da intervenção efectuada com a criança.

Na maioria dos casos, quando as perturbações são diagnosticadas precocemente e a intervenção é atempada, evoluem favoravelmente, principalmente na ausência de comorbilidades.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail