Menu

Introdução

Definição

Dificuldades de aprendizagem significativamente superiores ao esperado para o nível de desenvolvimento, escolaridade e capacidade intelectual, que se traduzem num conjunto de problemas no processamento de informação.

Frequência

A Perturbação Específica da Aprendizagem tem uma incidência na população escolar  de, pelo menos, 5% e é suscetível de gerar graves desvantagens de ordem pessoal, académica e profissional aos sujeitos por ela afetados.

Causa

A sua origem é neurobiológica, multifactorial, envolvendo factores genéticos e ambientais.

Sinais e sintomas

As dificuldades de aprendizagem específicas podem manifestar-se nas áreas da fala, da leitura, da escrita, da matemática e/ou da resolução de problemas, envolvendo défices que implicam problemas de memória, percetivos, motores, de linguagem, de pensamento e/ou metacognitivos. O diagnóstico de Perturbação Específica da Aprendizagem (DSM-5), correspondente às antigas  designações de Dislexia, Disgrafia e Discalculia, só deverá ser formulado quando é possível demonstrar que há uma discrepância específica entre as competências cognitivas do sujeito e as suas capacidades de aprendizagem. O diagnóstico é clínico e deve ser realizado por médico com experiência nesta área, com recurso a informação proveniente do paciente, da família, da escola e de eventuais avaliações realizadas por psicólogos ou terapeutas da fala. É fundamental uma observação clínica cuidadosa para excluir patologias que possam estar na génese das dificuldades observadas, como é o caso de alguns síndromes genéticos. Para além de afetarem as aprendizagens com respeito às áreas académicas, as dificuldades de aprendizagem apresentam repercussão comportamental a nível geral (familiar, escolar, lúdico).

O que fazer

Para terem sucesso, os alunos com dificuldades de aprendizagem devem ser identificados o mais precocemente possível, através de observações e avaliações especializadas que levem a intervenções específicas que envolvam não só a escola, como também a família e a comunidade.

Tratamento

Os alunos com Perturbações Específicas da Aprendizagem devem ser sujeitos a observações e avaliações cuidadas que levem à planificação de programas de apoio pedagógico individualizados.  

Evolução / Prognóstico

Por terem uma origem neurobiologica, e, por conseguinte, serem intrínsecas ao indivíduo, as Perturbações Específicas da Aprendizagem não desaparecem com a idade - são permanentes, apesar de ultrapassáveis.

Contudo, é importante ter em conta a forma como se manifestam e a gravidade, dado que estas duas características podem variar ao longo da vida de um indivíduo. A chave do sucesso estará na elaboração de programações educativas individualizadas que considerem ajustamentos e adaptações curriculares adequados às suas necessidades.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail