Menu

Introdução

Definição

Na miocardite há inflamação e destruição de parte do músculo do coração. Como consequência, o coração pode ficar dilatado e incapaz de bombear normalmente o sangue.

Frequência

A miocardite é uma doença relativamente rara que afecta menos de 1 em cada 1000 crianças.

Causa

A causa nem sempre é identificada, mas as mais comuns são: infecção (especialmente por alguns vírus bastante comuns), doenças auto-imunes, intoxicações ou alergias graves.

Sinais e sintomas

Os sintomas de miocardite aparecem, normalmente, dias a semanas depois de uma constipação ou gastroenterite aparentemente banais. As manifestações dependem da gravidade da miocardite, podem instalar-se rapidamente ou ir surgindo ao longo de vários dias. Nos casos mais ligeiros pode não haver qualquer sintoma de doença cardíaca.

Os primeiros sintomas são, normalmente, prostração, febre baixa e palidez, usualmente associada a diminuição do apetite, vómitos e dor abdominal. Mal-estar geral, transpiração e cansaço muito exagerados, mãos e pés anormalmente frios, palpitações e diminuição da quantidade de urina também são frequentes. A respiração rápida, tosse e falta de ar também podem ser evidentes, numa fase mais avançada da doença.

Os recém-nascidos e crianças mais jovens podem apresentar maioritariamente irritabilidade. As crianças mais velhas e os adolescentes podem referir dor no peito e apresentar inchaço nos pés.

O que fazer

Quando há suspeita de miocardite, a criança deve recorrer a um serviço de urgência ou médico assistente e ser observada por um especialista em Cardiologia Pediátrica. O electrocardiograma, a radiografia torácica e determinadas análises sanguíneas são úteis ao diagnóstico, mas é essencial realizar um ecocardiograma para avaliar a estrutura e função do coração.

Pode também ser necessário realizar uma ressonância magnética para compreender melhor estes parâmetros e o grau de inflamação do músculo cardíaco.

Por vezes pode ser necessário analisar secreções, urina e fezes, para pesquisar a causa da doença.

Tratamento

O tratamento da miocardite deve ser adequado aos sintomas e ao impacto da doença na função cardíaca. Normalmente é monitorizada a frequência cardíaca e restantes sinais vitais em regime de internamento e pode ser necessário administrar oxigénio e medicamentos endovenosos.

Consoante a gravidade da apresentação clínica, o tratamento farmacológico pode incluir: fármacos diuréticos e outros que baixem a tensão arterial, para reduzir o esforço do coração e optimizar a recuperação do músculo cardíaco; anticoagulantes, de forma a prevenir a formação de trombos intracardíacos; tratamento de eventuais arritmias; administração endovenosa de fármacos do grupo dos inotrópicos, que potenciam a função do coração, ou mesmo utilização de dispositivos externos que substituem temporariamente a função do coração, necessários apenas nos casos mais graves e em regime de cuidados intensivos.

Recentemente, têm sido propostos vários tratamentos que visam interferir nos mecanismos que estão na base da doença. Destaca-se a administração endovenosa de fármacos imunomoduladores, que alteram a função imunitária e que têm o potencial de reduzir a inflamação do músculo cardíaco, principalmente após a fase mais aguda da doença. São exemplos deste grupo: anticorpos, corticóides e imunossupressores mais específicos. A administração de antivíricos também pode ser benéfica, em casos selecionados. O desenvolvimento de uma vacina que proteja contra a infecção por determinados vírus, mais frequentemente implicados na miocardite, poderá contribuir decisivamente para o combate a este tipo de miocardite.

Evolução / Prognóstico

Actualmente, a grande maioria dos doentes admitidos no hospital sobrevive. Em aproximadamente metade dos casos a recuperação é completa, mas há risco de sequelas futuras, pelo que crianças e adultos com história de miocardite devem manter um acompanhamento médico regular.

A longo prazo, uma porção significativa dos doentes, embora estejam assintomáticos, mantém alterações evidentes em alguns exames, como o electrocardiograma, seja em repouso ou durante o esforço, e a radiografia torácica.

Por outro lado, estima-se que um terço dos sobreviventes venha a necessitar de transplante cardíaco. A idade mais jovem e a manifestação inicial de insuficiência cardíaca, são factores de mau prognóstico.

A miocardite aguda em recém-nascidos tem-se revelado uma doença muito grave e com elevado risco de mortalidade, particularmente quando causada por infecção por determinados vírus.

Em crianças mais velhas a mortalidade é bastante menor, e o risco diminui substancialmente após a primeira semana de doença.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail