Menu

Introdução

Definição

A insuficiência ovárica primária (IOP) é rara na adolescência. Caracteriza-se por um insuficiente funcionamento dos ovários antes dos 40 anos. Os ovários deixam de libertar óvulos e de produzir hormonas (estrogénios, progesterona e testosterona). Pode não ser uma situação definitiva e algumas vezes o ovário pode voltar a funcionar.

Sinais e sintomas

Uma cuidadosa avaliação pelo médico permitirá identificar uma causa de IOP, apesar de isso não ser possível na maioria dos casos (65 a 90%). As causas conhecidas de IOP podem ser genéticas, autoimunes (libertação de anticorpos contra as células dos seus próprios órgãos), e tóxicas (após tratamentos de cancro). Entre as causas genéticas os defeitos do cromossoma X são os mais frequentes, destacando-se a Síndrome de Turner.

Interrogatório: na consulta serão efectuadas uma série de perguntas seguidas de um exame físico para pesquisar:

  • Antecedentes familiares (10 a 15% de formas hereditárias) devendo-se saber se tem familiares do sexo masculino com atraso mental (Síndrome X-frágil).
  • Sintomas: ausência de menstruação ou se a menstruação surgiu normalmente e depois deixou de ocorrer; hemorragia uterina anómala, com intervalos irregulares entre as menstruações.

Exame Físico: avaliam-se uma série de características nomeadamente a curva de crescimento, o desenvolvimento mamário e a distribuição pilosa.

Tratamento

Exames Complementares

Colheita de sangue para:

Doseamentos hormonais

Pesquisa de anticorpos: anti-tiroideus, anti-suprarrenal; anti-ováricos

Cariotipo – para identificar alterações cromossómicas

Avaliação imagiológica

Ecografia pélvica – avaliação dos ovários e útero
Rx da mão e punho esquerdo – para avaliação da idade óssea
Densitometria óssea - permite pesquisar o efeito da falta de hormonas sobre a estrutura óssea e comparar com os resultados obtidos após tratamento hormonal.

Tratamento

Na abordagem terapêutica são importantes dois aspectos: apoio psicológico e terapêutica hormonal.

Apoio psicológico:

A comunicação de um diagnóstico de IOP (com impacto a nível da saúde reprodutiva e da fertilidade futura) pode despertar vários sentimentos. É comum surgir ansiedade, confusão, preocupação e até depressão, pelo que o suporte emocional do médico, pais e cuidadores é fundamental para enfrentar este momento.

O envio da doente e familiares para aconselhamento psicológico são essenciais para evitar as repercussões negativas da IOP.

Terapêutica hormonal:

A terapêutica hormonal com estrogénios é importante para evitar a atrofia a nível vulvar e vaginal e para manter uma  adequada densidade mineral óssea. Nos casos de ausência de menstruação e de desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários, o tratamento consiste na administração de estrogénios em muito baixas doses, a fim de simular a maturação progressiva da puberdade.

Quando a adolescente já completou o seu desenvolvimento pubertário o tratamento deverá aproximar-se o mais possível da função ovárica normal.

Evolução / Prognóstico

A possibilidade de retoma parcial ou total da função ovárica tem sido evidenciada em cerca de 50% dos casos. Estima-se que  em 5 a 10% das doentes com diagnóstico de IOP  pode ocorrer gravidez.

Em relação ao aconselhamento reprodutivo da adolescente é importante referir que:

  • A contracepção deverá privilegiar a utilização de métodos contraceptivos de barreira e do dispositivo intra-uterino. A terapêutica hormonal deve ser mantida, para prevenir os efeitos adversos da falta de estrogénios.
  • Fertilidade futura- existe a possibilidade de se recorrer a técnicas de procriação medicamente assistida, nomeadamente de doação de ovócitos

Prevenção / Recomendações

O aconselhamento das doentes e dos seus familiares é fundamental implicando uma abordagem psicossocial desde que é transmitido o diagnóstico Neste sentido referem-se alguns tópicos que devem ser focados:

  • O diagnóstico precoce é fundamental para prevenir o impacto negativo da falta de estrogénios. A ausência de menstruação ou a modificação do padrão regular, superior a três meses, devem ser motivo de consulta.
  • A vigilância a médio e longo prazo é importante devido ao potencial compromisso da densidade óssea e risco de fractura no futuro, ao risco cardiovascular (CV) e às doenças autoimunes associadas.
  • Recomendam-se uma série de medidas: suplementação de cálcio e vitamina D, evitar o consumo de tabaco, dieta e exercício físico apropriados, avaliação da pressão arterial e do colesterol e triglicerídeos.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail