Menu

Introdução

Definição

É a obstrução da porção final do intestino delgado (íleon) por fezes espessas e viscosas.

Frequência

O íleos meconial acontece num em cada 20000 recém-nascidos.

Quase sempre surge associado a fibrose cística (80 - 90% dos casos), que é uma doença grave que provoca alterações nas secreções de alguns órgãos, principalmente nos pulmões e aparelho digestivo.

É muito raro em outras populações que não as arianas.

Causa

Íleos meconial

No intestino delgado, as fezes são duras e espessas devido às secreções intestinais anormais. A falta de substâncias segregadas pelo pâncreas contribui para esta anomalia das fezes.

O íleos meconial pode complicar-se com perfuração do intestino, o que leva a uma infecção generalizada de todo o abdómen (peritonite), que é uma situação grave; se não for tratada atempadamente, leva inevitavelmente à morte.       

Sinais e sintomas

Os sintomas surgem geralmente num recém-nascido de fim de tempo, sem malformações associadas.
A ecografia pré-natal não consegue diagnosticar esta situação e só poderá haver alterações nas formas mais complicadas da doença.

Se houver familiares com fibrose cística é mais fácil suspeitar de íleos meconial.

Logo após o parto ou no 1º ou 2º dias de vida, o recém-nascido inicia vómitos e deixa de se alimentar, a barriga fica grande e não saem fezes. Nas formas mais complicadas o recém-nascido está visivelmente doente e a pele da barriga pode ficar inflamada. Pode ainda ter dificuldade em respirar devido ao enorme volume da barriga.

Os sintomas geralmente surgem ainda durante o período de estadia na maternidade e são os profissionais de saúde que primeiro suspeitam da existência desta situação.

Existem outras doenças do recém-nascido que também se caracterizam por sintomas semelhantes, por isso será sempre necessário realizar exames para ter a certeza de que é um íleos meconial. 

O que fazer

O recém-nascido com estes sintomas terá de permanecer internado no hospital e será encaminhado para uma Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, onde os profissionais de saúde farão os exames necessários ao diagnóstico e proporão o tratamento mais indicado a cada situação.

Tratamento

Nas formas não complicadas da doença e em recém-nascidos com bom estado geral, tenta-se primeiro a desobstrução do intestino com produtos líquidos que amolecem as fezes. Estes produtos podem ser introduzidos pelo ânus (sob a forma de clister) e / ou pela boca, geralmente através de uma sonda, porque têm mau sabor e seria difícil o recém-nascido engoli-los.

O bebé fica internado a fazer estes tratamentos diariamente até que todas as fezes duras saiam e ele possa alimentar-se normalmente.

Pode ser necessária uma intervenção cirúrgica se não se consegue resolver a situação, se há dúvidas quanto ao diagnóstico ou se é uma situação mais complicada com perfuração do intestino.

A cirurgia consiste na abertura da parede abdominal e do intestino obstruído e sua lavagem para eliminar as bolas de fezes duras.

Quando não se consegue limpar o intestino ou a criança tem mau estado geral ou houve perfuração intestinal, o cirurgião pode decidir fazer um estoma  ou “ânus artificial” (exteriorização de uma porção do intestino delgado na parede abdominal), de modo a permitir a saída das fezes e a realização de lavagens intestinais para eliminar as fezes duras. Esta abertura será posteriormente encerrada com outra cirurgia, quando o bebé estiver melhor e a situação estiver resolvida.

Evolução / Prognóstico

No íleos meconial simples que resolve sem necessidade de cirurgia, praticamente todos os bebés sobrevivem. A necessidade de cirurgia de qualquer tipo aumenta a mortalidade e as complicações.

Nos casos associados a fibrose cística é esta entidade que determina a maior mortalidade, principalmente pelas complicações pulmonares desta doença. Actualmente, apenas 50% das pessoas com fibrose cística ultrapassa os 28 anos de idade.

Os raros casos em que não existe fibrose cística têm um prognóstico bom com raras complicações digestivas associadas.

Prevenção / Recomendações

A criança deve ser encaminhada para um centro especializado em fibrose cística, onde lhe seja dado apoio, assim como à família, uma vez que a fibrose cística é uma doença crónica e incapacitante com elevada taxa de mortalidade a longo prazo.

Recomenda-se um estudo genético dos pais, uma vez que esta doença tem características hereditárias, no sentido de poderem planear esclarecidamente futuras gestações.

Quando se inicia o aleitamento é necessário administrar medicamentos ou usar apenas um leite especial para prevenir as complicações gastrointestinais.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail