Menu

Introdução

Definição

Coloração amarela de pele e escleróticas

Frequência

60% dos recém-nascidos de termo apresentam icterícia na primeira semana de vida.

Causa

A icterícia é causada pela deposição de bilirrubina na pele. A bilirrubina é um pigmento amarelo que se forma a partir da destruição dos glóbulos vermelhos do sangue.

Os recém-nascidos têm glóbulos vermelhos em maior número e são destruídos mais rapidamente. Por este motivo, associado a uma certa imaturidade do funcionamento do fígado, neste período há uma tendência para acumulação de bilirrubina no sangue.

A icterícia fisiológica afeta a maioria dos recém-nascidos saudáveis e é devida a elevação ligeira a moderada da bilirrubina, não se associando a sequelas na maioria das vezes.

A icterícia que aparece nas primeiras 24 horas de vida do recém-nascido é considerada hiperbilirrubinémia grave e necessita de avaliação médica. Algumas causas de acumulação grave de bilirrubina são: incompatibilidade dos grupos de sangue entre o recém-nascido e a mãe, causas hereditárias de destruição dos glóbulos vermelhos, hematomas associados a traumatismo no parto.

Sinais e sintomas

Inicialmente a pele fica amarela e no final a parte branca dos olhos (esclerótica) também pode ficar amarelada. Nota-se primeira na pele da face e depois vai descendo para o tronco, abdómen, braços e pernas.

O que fazer

Se o seu filho tiver alta hospitalar antes das 72 horas de vida, deve vigiar em casa a presença e progressão da icterícia.

São sinais de agravamento de icterícia se a coloração amarela chegar à região das coxas, se o seu filho tiver dificuldades na alimentação, estiver sonolento, irritável. Perante estes sintomas deve procurar avaliação médica.

Tratamento

O tratamento depende das horas de vida do recém-nascido e do valor de bilirrubina apresentado.

A terapêutica indicada para o tratamento e prevenção da hiperbilirrubinémia grave é a fototerapia, onde o recém-nascido é exposto a uma luz com o objetivo de transformar a bilirrubina num isómero solúvel que possa ser eliminado pela urina e bílis.

Em casos graves de hiperbilirrubinémia, em que existe o risco de complicações neurológicas, e quando a fototerapia não está a ser eficaz, pode ser necessário fazer exsanguineo-transfusão. Neste tratamento parte do sangue do recém-nascido é substituído por sangue compatível permitindo a redução mais rápida dos níveis de bilirrubina.

Evolução / Prognóstico

Recém-nascidos em que hiperbilirrubinémia é identificada e tratada apropriadamente, o prognóstico é excelente e sem risco de sequelas neurológicas.

Prevenção / Recomendações

No momento da alta devem ser avaliados os fatores de risco de hiperbilirrubinémia grave, fazer aconselhamento se recém-nascido está em aleitamento materno exclusivo, dar informação oral e escrita aos pais sobre critérios de agravamento e o recém-nascido deve ser reavaliado se teve alta antes do pico de hiperbilirrubinémia (76-96 horas para RN de origem caucasiana e afro-americanos e mais tardia nos RN de origem asiática).

Na consulta de reavaliação deve ser avaliado o peso e percentagem perdida relativamente ao peso de nascimento, frequência de mamadas, diurese e dejecções, evolução clínica da icterícia e, se necessário, doseamento de bilirrubina.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail