Menu

Introdução

Definição

O hipotiroidismo é a situação resultante da diminuição da atividade das hormonas produzidas pela glândula tiroide. O hipotiroidismo pode ser congénito (isto é, pode estar presente desde o nascimento) ou adquirido.

Frequência

O hipotiroidismo congénito é mais frequente no sexo feminino e nos recém-nascidos com peso inferior a 2000g ou superior a 4500g.

Já o hipotiroidismo adquirido primário é mais frequente em indivíduos mais velhos, no sexo feminino, nos caucasianos e naqueles que têm outras doenças autoimunes, como por exemplo, com doença celíaca ou diabetes mellitus tipo 1, ou com síndromes genéticas, como a Síndrome de Down ou de Turner.

Causa

O hipotiroidismo congénito pode resultar de defeitos estruturais da tiroide (chamados disgenesias) ou na incapacidade em produzir hormonas (disormonogêneses).

A causa mais frequente de hipotiroidismo adquirido é a Tiroidite de Hashimoto. No entanto, há outras causas de hipotiroidismo: a tiroidite subaguda (geralmente causada por um vírus), o uso de certos medicamentos, a falta ou o excesso de iodo, uma lesão da glândula tiroide por uma cirurgia, ou radioterapia, uma doença no cérebro que interfira com a produção da hormona que estimula a tiroide, entre outras.

Sinais e sintomas

O recém-nascido com hipotiroidismo congénito pode não apresentar sintomas ao nascimento, devido à passagem de hormonas da mãe através da placenta. Com o tempo, podem surgir dificuldades alimentares, sucção débil, choro fraco, sonolência excessiva. Se não for diagnosticado atempadamente, a criança fica com um atraso mental grave, com baixa estatura e com caraterísticas faciais típicas (face grosseira inexpressiva, língua grande, lábios inchados…).

Quanto ao hipotiroidismo adquirido, na maioria das vezes, as crianças e jovens não apresentam qualquer sintoma na altura em que são diagnosticadas. Nos casos de hipotiroidismo mais severo, a criança começa por crescer “pior” e posteriormente surgem outros sintomas como falta de concentração na escola, intolerância ao frio, pele seca, queda de cabelo, dores musculares e obstipação. 

Muitas vezes a tiroide parece “aumentada”, o chamado bócio. A criança pode ainda apresentar excesso de peso aparente (por retenção de líquidos), uma face redonda e pouco expressiva, diminuição do ritmo cardíaco e alterações dos músculos e dos tendões. 

O que fazer

O hipotiroidismo congénito é uma das doenças incluídas nos programas de rastreio neonatal existentes em vários países e vulgarmente conhecidos como teste do pezinho. Caso o rastreio seja positivo, o resultado deve ser confirmado com análise ao sangue. A tiroide deve ser avaliada por ecografia ou cintigrafia, com a finalidade de identificar a causa do hipotiroidismo. 

Perante uma suspeita de hipotiroidismo adquirido, devem ser efetuadas análises ao sangue, que avaliam a T4 livre (hormona produzida pela tiroide) e a TSH (hormona produzida pela hipófise, localizada no cérebro, que estimula a tiroide). Se a T4L estiver baixa e a TSH aumentada, estamos perante um hipotiroidismo primário, por doença da tiroide. Nessas circunstâncias, deverá ser avaliada a presença de anticorpos contra a tiroide. A presença de anticorpos faz o diagnóstico de Tiroidite de Hashimoto. Raramente, poder ser necessário fazer uma ecografia à tiroide, se houver alguma alteração na palpação da tiroide, como, por exemplo, um nódulo. 

No caso raro de a T4L estar diminuída e a TSH estar também diminuída, ou inapropriadamente normal, estamos perante um hipotiroidismo central, por disfunção da hipófise. Nessas circunstâncias, poderá ser necessário efetuar uma ressonância cerebral. 

Tratamento

O tratamento do hipotiroidismo é feito com hormona da tiroide. A dose é calculada em função do peso e deve ser administrada de manhã, em jejum, para facilitar a sua absorção. Depois de iniciar o tratamento, deve fazer análises regulares para controlar se a dose é a indicada para os níveis de hormonas se manterem normais.

Evolução / Prognóstico

O hipotiroidismo congénito tem bom prognóstico se identificado e tratado rapidamente. No então, é necessário que se faça um acompanhamento do desenvolvimento psico-motor da criança. Geralmente, é necessário tratamento com hormona da tiroide para toda a vida. Nos casos em que se suspeite que ele possa ser transitório, a situação deverá ser reavaliada após suspensão da hormona da tiroide depois dos 3 anos. 

Por outro lado, alguns doentes com tiroidite persistem por muitos anos com anticorpos positivos mas uma função tiroideia normal. Esta situação deve ser reavaliada com análises 1-2 vezes por ano e geralmente não traz nenhum sinal ou sintoma.

Prevenção / Recomendações

Nas crianças com risco aumentado de hipotiroidismo, como os diabéticos, celíacos, as crianças com Síndrome de Down, etc, a função da tiroide deve ser avaliada de forma regular. 

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail