Menu

Introdução

Definição

A ginecomastia consiste no aumento da glândula mamária no sexo masculino. Deve ser distinguida da pseudoginecomastia (ou adipomastia), que consiste na deposição de gordura sem aumento da glândula mamária e que é frequente nos obesos. 

Frequência

A ginecomastia tem uma distribuição por 3 picos: recém-nascido/lactente, adolescente e idoso. Assim, em idade pediátrica, pode surgir em cerca de 60-90% dos recém-nascidos e em até 70% dos adolescentes. 

Causa

A ginecomastia pode constituir um motivo de grande preocupação para os pais e para os jovens, mas é geralmente benigna e transitória.

No recém-nascido, a causa mais frequente é ginecomastia neonatal transitória, a qual resulta da transformação de algumas hormonas em estrogénios, pela placenta, que vão estimular a glândula mamária do recém-nascido. Esta situação resolve espontaneamente durante o primeiro ano de vida.

Na adolescência, a causa mais frequente é a ginecomastia peri-pubertária, a qual resulta de um desequilíbrio fisiológico entre os estrogénios e a testosterona. Geralmente surge entre os 10-12 anos e é mais evidente entre os 13-14 anos, altura em que os genitais externos se desenvolvem e o crescimento atinge a sua velocidade máxima. Na maioria dos casos, regride espontaneamente nos 18 meses seguintes. No entanto, pode persistir até à idade adulta. 

Nos obesos, pode surgir ginecomastia por excesso de conversão de testosterona em estrogénios no tecido adiposo e por deposição de gordura na mama.

As causas patológicas, mais raras, incluem: uso de fármacos ou drogas, doença renal ou hepática, desnutrição, hipogonadismo, tumores ou hipertiroidismo. 

Sinais e sintomas

Geralmente, a ginecomastia é bilateral. Pode ser simétrica ou assimétrica. 

É importante que seja definida qual a idade de aparecimento (nos recém-nascidos e nos adolescentes é geralmente benigna), se há escorrência de leite, se há dor ou tensão mamária, se há massas palpáveis ou sinais ou sintomas sugestivos de alguma doença crónica. Se a ginecomastia progredir rapidamente, é menos provável que seja fisiológica.

A ginecomastia deve ser distinguida da deposição de gordura (ou adipomastia) e isso é feito através da palpação da mama pelo seu médico.

O que fazer

Perante uma ginecomastia, deve procurar o seu médico assistente. O seu médico, após observação, dir-lhe-á se lhe parece mais provável uma causa fisiológica, como é a ginecomastia peri-pubertária, que só precisa de vigilância, de uma causa patológica, a qual precisa de investigação. 

Na maioria dos casos, não é necessário efetuar análises. Caso haja suspeita de alguma causa patológica, o seu médico irá requisitar algumas análises ao sangue, como o doseamento de algumas hormonas.

Raramente estão indicados exames de imagem.

Tratamento

Não há nenhum tratamento específico para a ginecomastia.

Nas causas fisiológicas, como a ginecomastia peri-pubertária, apenas está indicada vigilância e redução do peso, caso haja excesso de peso ou obesidade.

Em casos extremos, se a ginecomastia for muito grande, persistir para além do fim da puberdade, e existirem repercussões psicossociais importante, pode ser ponderada a hipótese de cirurgia (mastectomia).

Evolução / Prognóstico

O prognóstico da ginecomastia fisiológica é bom, com a maioria dos casos a regredir espontaneamente.

Prevenção / Recomendações

Uma vez que se sabe que há uma maior prevalência de ginecomastia nos obesos, é importante que se promovam estilos de vida saudáveis e que se combata o excesso de peso e a obesidade.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail