Menu

Introdução

Definição

A celulite orbitária é uma infeção dos tecidos da órbita, posteriores ao septo orbitário. É uma situação mais rara e muito mais grave que a celulite pré-septal (nesta última a infeção atinge apenas os tecidos mais anteriores da órbita). A distinção entre as duas entidades é muito importante, pois a abordagem é diferente para os dois casos: a celulite da órbita trata-se em regime de internamento, enquanto a celulite pré-septal é habitualmente tratada em ambulatório.

Frequência

A celulite orbitária é mais frequente em crianças pequenas, do que em crianças mais velhas ou adultos. Surge muitas vezes associada a casos de sinusite.

Causa

Além da sinusite, podem ser causas de celulite orbitária: cirurgia oftalmológica, trauma orbitário com fratura ou presença de corpo estranho, dacriocistite (infeção do saco lacrimal), infeções dentárias, do ouvido ou da face.

Sinais e sintomas

A celulite orbitária é geralmente unilateral e manifesta-se por: edema das pálpebras e região peri-orbitária; dor, calor e rubor palpebrais; proptose (olho mais saliente); Acompanha-se de mau estado geral e febre. É uma doença em que os sinais e sintomas evoluem rapidamente.

São sinais de gravidade: queixas de diminuição da visão e limitação dos movimentos oculares.

O que fazer

Perante a suspeita de celulite orbitária, a criança deve ser observada por um médico com a maior brevidade possível. A colheita da história clínica e a observação levam à suspeita do diagnóstico de celulite orbitária, sendo solicitado habitualmente um exame de imagem (TAC) para confirmação do diagnóstico e detecção de complicações e/ou doença associada (como por exemplo: sinusite).

Tratamento

O tratamento da celulite orbitária implica internamento e administração de antibiótico endovenoso.

Em casos mais graves, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica.

Evolução / Prognóstico

Se não for tratada atempadamente pode ter complicações graves oculares e/ou intracranianas.

Prevenção / Recomendações

Vigiar apertadamente casos de edema palpebral na criança.

Para efeitos de orientação diagnóstica e terapêutica, é muito importante distinguir a  celulite pré–septal (que envolve os tecidos anteriores aos septo orbitário) da celulite orbitária (posterior ao septo).  Em ambos os casos há edema e outros sinais inflamatórios palpebrais, sendo de suspeitar de atingimento pós-septal quando há limitação dos movimentos oculares, proptose, dor intensa e/ou mal estar geral.

Em crianças pequenas, em que o septo orbitário não está ainda totalmente desenvolvido, existe risco elevado de propagação da infecção, dos tecidos pré-septais para os pós-septais, pelo que a vigilância destes casos deve ser apertada.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail