Menu

Introdução

Chegou o calor e tempo de férias de Verão. Quem não tem as melhores recordações das brincadeiras na praia e na piscina? Novos locais para explorar novas aventuras. Mas muitas vezes estes novos espaços têm “armadilhas” para as quais as famílias nem sempre estão preparadas e o risco de afogamento aumenta nos meses de Julho, Agosto e Setembro.

O afogamento é a segunda causa de morte acidental em crianças e jovens em Portugal. É um acontecimento trágico, rápido e silencioso, mas que pode ser evitado.

Para que possa usufruir de umas férias divertidas, descontraídas e seguras, deixamos algumas recomendações fundamentais. 

Prevenção / Recomendações

Antes das férias

  • Peça informações na agência de viagens sobre as condições de segurança no local e consulte os comentários de outras famílias;
  • Se alugar uma casa com piscina, certifique-se que tem uma vedação;
  • Faça um curso de suporte básico de vida;
  • Certifique-se de que quem fica com as crianças, mesmo que por períodos curtos, está consciente de todas as recomendações.

O primeiro dia de férias e o final da tarde são os momentos em que acontecem mais afogamentos.

Não espere ouvir barulho. A criança não esbraceja nem grita quando cai à água: afoga-se em silêncio absoluto

Quando chegar ao local de férias

Antes de desfazer as malas, inspeccione o local onde vai viver nos próximos dias, verificando o acesso a piscinas, lagos, tanques, poços, rios ou mar, enquanto outro adulto toma conta das crianças.

Organize a casa de férias de modo a eliminar de imediato alguns perigos:

  • Esvazie baldes, alguidares e piscinas insufláveis e guarde-os em locais onde não possam acumular água da chuva;
  • Esconda a tampa da banheira, de modo a que a criança não consiga enchê-la sozinha;
  • Tranque portas de acesso a locais com água;
  • Estabeleça regras com as crianças para nadar ou brincar perto de água;
  • Verifique se o trinco da vedação da piscina é de fecho automático e se funciona; se tem alarme verifique se está funcional e de onde consegue ouvi-lo. Em qualquer dos casos não baixe o nível de vigilância.
  • Tenha um telefone com rede sempre à mão e coloque o número de emergência e a morada de férias em local visível. 

O afogamento pode acontecer em ambientes familiares tais como banheira, piscina, lago do jardim, poço, tanque da roupa ou rega, rio, praia ou mesmo baldes, alguidares e pequenas piscinas insufláveis, quando o adulto interrompe por instantes a vigilância.

Mantenha uma vigilância próxima e focada na criança

  • Vigie activamente e em permanência as crianças quando estão a brincar perto de água ou a nadar. Redobre a vigilância com as crianças mais novas ou com necessidades especiais.
  • O álcool pode interferir com o seu estado de vigília e com a sua capacidade de nadar. Se está a vigiar crianças, não beba;
  • Familiarize-se com a sinalização de segurança; 
  • Localize o nadador salvador e informe-se sobre as precauções que deve tomar.

Coloque auxiliares de flutuação às crianças

  • Quando andar de barco, ou praticar desportos náuticos, adultos e crianças devem vestir sempre um colete salva-vidas;
  • Enquanto a criança não souber nadar bem deve usar braçadeiras, que, caso sejam insufláveis, devem possuir duas câmaras-de-ar independentes, de preferência em forma de anel à volta do braço. Acabe de enchê-las no braço para ficarem bem ajustadas. Lembre-se que podem cair com um mergulho ou com uma onda;
  • As braçadeiras e os colete salva-vidas devem ser adequados ao peso da criança e obedecer às normas europeias de segurança.
  • O colete salva-vidas e as braçadeiras facilitam a flutuação mas nunca substituem a vigilância ativa do adulto.

Ensine às crianças comportamentos seguros na água

  • Nunca nadar sozinha;
  • Nadar paralelamente à margem;
  • Não mergulhar em pontões ou em zonas cuja profundidade desconhece ou quando não sabe se existem rochas submersas;
  • Nunca atrapalhar outras crianças com brincadeiras perigosas (submersão da cabeça, empurrões para a água…);
  • Respeitar sempre as instruções do nadador salvador.

O que fazer em caso de afogamento

  • Chame o 112 e dê indicações precisas sobre o local onde se encontra.
  • Se souber como fazê-lo, inicie a reanimação cardiorrespiratória e mantenha-a até à chegada da ambulância.
  • Se não souber, tente localizar alguém com formação em suporte básico de vida.

Depois das férias

  • Informe a sua agência de viagens sobre as condições de segurança do local, de modo a que outras famílias possam usufruir da experiência;
  • Deixe o seu testemunho e comentários para próximos visitantes;
  • Faça uma reflexão sobre a segurança das crianças nas férias de modo a poder preparar-se melhor na próxima vez;
  • Divulgue estas informações junto de familiares e amigos;
  • Se ainda não o fez, faça um curso de suporte básico de vida.

Divirta-se com a sua família e goze as férias em segurança.

© Copyrigth APSI - Associação para a Promoção da Segurança Infantil – 2019
Todos os direitos reservados.

Saber Mais

APSI – Associação para a Promoção da Segurança Infantil
www.facebook.com/apsi.org.pt
Tel: 218844100

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail