Menu

Introdução

Definição

É uma doença da unidade pilossebácea podendo ser vista em qualquer idade desde o nascimento.

Frequência

Varia, mas é quase universal na adolescência

Causa

A causa é multifatorial associada a predisposição genética. A obstrução do ducto sebáceo com acumulação de sebo forma os pontos negros e brancos (comedões) - meio favorável à proliferação de bactérias comensais, as quais sintetizam fatores inflamatórios que levam à rotura da parede do comedão, com extravasão de sebo, células e bactérias para a pele adjacente - borbulha vermelha com pus. Quando o processo é mais intenso e profundo formam-se nódulos e quistos. A intensidade da inflamação, associada a características pessoais, pode resultar em cicatrizes mais ou menos intensas. 

Sinais e sintomas

A acne caracteriza-se por: (1) lesões retencionais não inflamatórias – comedões abertos (pontos negros) e fechados (pontos brancos/microquistos), (2) lesões inflamatórias – pápulas, pústulas, nódulos e quistos, e (3) lesões residuais – as cicatrizes.

Acne comedónica
Acne inflamatória
Acne quística
Cicatrizes

Assim, classificamos habitualmente a acne em comedónica (retencional), inflamatória (pápulas e pústulas) e nódulo-quística. Por vezes, há presença de quistos e abcessos, com fístulas comunicantes – acne conglobata.

As áreas afetadas são as que têm maior densidade de glândulas sebáceas – face e tronco superior.

Pode existir prurido (comichão) e alguma dor/sensibilidade, principalmente nas lesões inflamatórias.

Em 20% dos casos a acne assume formas graves, deixando sequelas cicatriciais. 

A acne pode ter um impacto psicológico importante, mais evidente nos adolescentes, tanto na fase ativa, como mais tarde pelas eventuais sequelas.

Com o objetivo de selecionar a terapêutica mais adequada, para além do tipo de acne, interessa classificar a sua gravidade, o que se faz habitualmente de forma simples em acne ligeira, moderada ou severa, de acordo com o tipo, número de lesões presentes e extensão de pele envolvida.

O que fazer

Embora a resolução espontânea seja uma possibilidade, é frequente a sua persistência ao longo da vida com períodos de menor ou maior intensidade. Existem várias opções terapêuticas que evitam a persistência das lesões. O tratamento deve ser de acordo com a motivação pessoal, mas deve ser estimulado em caso de tendência cicatricial, perturbação emocional, ou do relacionamento interpessoal e fobia social. Em idades abaixo dos 7 a 8 anos e em casos resistentes ao tratamento, associados a excesso de pilosidade, alterações menstruais entre outras, deve ser feita avaliação endocrinológica. 

Tratamento

Há uma larga variedade de medicamentos tópicos e sistémicos, de acordo com o grau de gravidade, a morfologia das lesões e a motivação dos pacientes. Os esquemas terapêuticos devem ser adaptados a cada doente, tentando que sejam facilmente exequíveis. 

O tratamento local destina-se a desobstruir os ductos, eliminar os comedões, e controlar a atividade bacteriana e inflamatória, sendo dada preferência aos retinóides, uma vez que atuam em vários dos alvos referidos. Estão contraindicados na grávida e secam a pele colocando por vezes algumas limitações à sua utilização. Usam-se isoladamente ou em combinação com os antibióticos ou o peróxido de benzoílo. Apesar de estarem recomendados a partir dos 12 anos, são geralmente usados em idades inferiores quando necessário.

Os antibióticos têm uma atividade essencialmente anti-inflamatória. A sua utilização frequente ou prolongada pode causar resistências bacterianas, pelo que não devem ser usados em monoterapia e por períodos prolongados. Se o seu uso for necessário para além de algumas semanas, devem ser associados ao peróxido de benzoílo; este tem uma atividade antibacteriana, comedolítica e diminui a resistência aos antibióticos, tornando útil a associação; é irritativo e pode desencadear dermite de contacto alérgica. 

Há outros tópicos, que complementam os anteriores como sejam o ácido azelaico, os alfa e beta hidroxiácidos, o ácido salicílico e o zinco. 

Os agentes de limpeza suaves ou com ligeiro efeito exfoliativo podem ser úteis, principalmente em formas comedónicas ligeiras.

Sempre que necessário devem utilizar-se cremes hidratantes apropriados uma vez que a maior parte dos agentes terapêuticos causam secura e descamação, com o desconforto inerente. 

O tratamento sistémico utiliza-se em formas persistentes e /ou mais intensas de acne. No sexo feminino algumas terapêuticas hormonais, que incluem a pílula anticoncecional, podem levar a melhoria significativa. Alguns antibióticos são apropriados, por períodos breves nas formas inflamatórias, sendo que os derivados das tetraciclinas não podem ser administrados a crianças com menos de 8 anos. A isotretinoína tem uma forma de atuação mais completa, nos vários mecanismos de formação das lesões de acne. Pode usar-se em doses variáveis, de acordo com a intensidade e o tipo de acne. Causa secura da pele e é necessária a contraceção eficaz no sexo feminino, uma vez que provoca malformações fetais; a maioria dos efeitos secundários é dose dependente.

As terapêuticas adjuvantes podem aumentar significativamente a eficácia terapêutica. A abertura e extração de comedões fechados é fundamental na acne retencional, a efetuar pelo dermatologista no consultório São difíceis de eliminar por outros métodos e sofrem inflamação quando se utilizam retinoides sistémicos ou tópicos. Os peelings superficiais, à base de ácido glicólico ou ácido salicílico têm um efeito adjuvante no tratamento e prevenção de novas lesões, bem como na melhoria das cicatrizes e inflamação. Ocasionalmente, em formas particulares de acne quística ou queloidal, têm indicação os corticoides em injeção intralesional. 

Na idade pediátrica as concentrações de retinóides tópicos e de peróxido de benzoílo devem ser mais baixas; a dose dos medicamentos sistémicos deve adequar-se ao peso e idade, sendo que os derivados da tetraciclina só se podem utilizar após os 8 anos. 

Evolução / Prognóstico

A evolução é muito variável e pouco previsível. Sob tratamento adequado o prognóstico é bom, mas os efeitos benéficos não são imediatos. As cicatrizes definitivas e o impacto psicossocial são as principais sequelas. 

Prevenção / Recomendações

As consultas devem ser continuadas, com um intervalo que depende das formas e intensidade da acne e ainda do tratamento seguido. Não se deve interromper o tratamento sem que haja a perceção pelo dermatologista e paciente da ausência de aparecimento de novas lesões. Geralmente, as pessoas com tendência para acne podem sofrer surtos futuros da doença, devendo manter preventivamente alguns cuidados com a pele, supervisionados pelo dermatologista.

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail