Menu

Introdução

Definição

Refere-se à perda de uma gravidez antes de atingida a viabilidade fetal. Considera-se precoce antes das 12 semanas. Pode ser espontâneo ou provocado (por opção, permitido até às 10 semanas em Portugal); retido (retenção integral das estruturas embrionárias), incompleto (retenção de restos ovulares) ou completo (espessamento endometrial < 15 mm).

Frequência

Cerca de 10-15% das gestações clínicas.

Causa

São várias as possíveis causas, sendo a mais comum as anomalias intrínsecas do produto de concepção, sobretudo cromossomopatias. Outras possíveis são doenças maternas, trombofilias, anomalias uterinas, entre outras.

Sinais e sintomas

O principal sintoma é a hemorragia vaginal, de quantidade variável. Esta pode associar-se, ou não, a dor abdominal.

Por vezes não há qualquer tipo de sintomatologia, sendo diagnosticado através de ecografia aquando avaliação médica (embrião/ feto sem batimento cardíaco ou saco gestacional sem estruturas embrionárias, mesmo após reavaliação).

Pode ser precedido por ameaça de aborto.

O que fazer

Quando existe suspeita de aborto ou quando este é confirmado, torna-se necessária a avaliação por um ginecologista / obstetra, de forma a identificar factores de risco e decidir qual a melhor opção terapêutica.

Tratamento

O tratamento do aborto vai depender de factores como a existência ou não de hemorragia e a sua intensidade, achados ecográficos, doenças da grávida, existência de alergias medicamentosas e também da sua opção pessoal após esclarecimento adequado.

Pode ser adoptada uma atitude expectante, ou seja, realizar vigilância enquanto se aguarda expulsão espontânea do conteúdo intra-uterino. Esta atitude associa-se a resolução satisfatória num número considerável de doentes, sobretudo se idades gestacionais precoces, com trabalho de abortamento em curso ou em abortamentos incompletos.

Nas outras situações pode realizar-se tratamento médico, com administração de fármacos via vaginal e/ou oral, ou tratamento cirúrgico (curetagem / aspiração uterina), que implica internamento com instrumentação intrauterina.

Em algumas situações, o tratamento inicialmente proposto pode não ser eficaz, sendo necessário realizar outro tipo de tratamento.

Evolução / Prognóstico

A maioria dos abortamentos é resolvida sem complicações e sem interferir com possíveis gestações futuras.

Prevenção / Recomendações

Não existe forma de prevenir um abortamento. Em alguns casos de patologia materna identificada podem ser associadas medidas ou fármacos na pré-concepção / início da gravidez que pretendem diminuir o risco da sua ocorrência, mas que não garantem a evolução da gravidez.

Após abortamento, e antes de considerar nova gravidez, deve ser realizada uma avaliação médica, sobretudo se o abortamento for recorrente.

Saber Mais

As informações da Pedipedia não substituem nem devem adiar a consulta pessoal com um profissional de saúde qualificado.

Mais informações.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail