Menu

Introdução

Definição

Os rins são dois órgãos abdominais, que embora tenham dimensões e peso relativamente pequenos (menos de 200 g no caso de rins normais), desempenham funções fundamentais no organismo humano, bem como nos mamíferos em geral.

A grande irrigação sanguínea dos rins permite que estes órgãos produzam a urina e, dessa forma, desempenhem fenómenos fundamentais na homeostasia do organismo humano, entre as quais a excreção de diversas substâncias tóxicas incluindo a ureia.

As doenças dos rins podem apresentar-se de uma forma variada. Por vezes, como no caso de algumas infecções, podem ser de natureza potencialmente reversível. Noutros casos, trata-se de doenças que determinam o declínio da função dos rins, e muitas dessas situações clínicas são dotadas de irreversibilidade, estabelecendo-se uma situação de insuficiência renal crónica. A insuficiência renal é facilmente diagnosticada através da elevação de biomarcadores plasmáticos, dos quais a creatinina e a ureia são os mais frequentemente utilizados.

Quando o grau de função renal declina marcadamente e de forma irreversível, estabelece-se uma insuficiência renal crónica terminal, uma situação clínica cuja evolução natural resultaria na morte da pessoa afectada. A ciência médica desenvolveu diferentes técnicas substitutivas de função renal, que permitem a sobrevivência de muitos doentes afectados por insuficiência renal crónica, constituindo um notável marco na História da Medicina e na aplicação prática da inteligência humana.

A doença renal crónica terminal (DRCT) afecta um número importante de doentes. Nas crianças ao contrario dos adultos, a DRCT é uma condição rara e com caracterização ainda limitada. As causas de DRCT na criança são muito diferentes das encontradas nos adultos com um predomínio de doenças congénitas e hereditárias.

As malformações congénitas dos rins e trato urinário representam a principal causa de DRCT, outros grupos diagnósticos comuns incluem doenças inflamatórias dos rins (glomerulonefrite e glomeruloesclerose) e doenças hereditárias.

A DRCT em crianças associa-se a um impacto significativo. As crianças estão em fases formativas do seu desenvolvimento fisiológico e intelectual, e, portanto, são particularmente vulneráveis aos efeitos adversos da DRC. Para além do aumento substancial de morbilidade durante a infância o atraso do crescimento e desenvolvimento são comuns, afectando profundamente o bem-estar físico e psicológico da criança.

Epidemiologia

A incidência entre os 0-19 anos é de 8,3 por milhão de população de idade relacionada e entre os 0-14 anos de apenas 5,5 por milhão de população de idade relacionada.

A incidência e prevalência na população europeia são relativamente estáveis com um predomínio no sexo masculino (1.3/2) reflectindo a maior incidência de malformações congénitas dos rins e trato urinário no sexo masculino.

Tratamento

A manutenção da vida em pacientes sem função renal é uma conquista notável da medicina moderna.

Cirurgia

O transplante renal é a modalidade de tratamento de eleição, pois é a intervenção que proporciona os melhores resultados em relação ao crescimento, desenvolvimento, qualidade de vida e sobrevivência do paciente.

Tratamento médico

Em casos de falência ou ausência de condições para transplante renal, a diálise crónica pode ser a única opção terapêutica durante longos períodos de tempo, no entanto o tratamento crónico de crianças em diálise é complexo. Os tipos de tratamento dialitico disponíveis incluem a hemodiálise e a diálise peritoneal.

Nenhuma destas modalidades mostrou ser superior em termos de morbilidade ou mortalidade na população Pediátrica. Em muitas crianças ambas as modalidades de diálise serão provavelmente necessárias em diferentes alturas.

Evolução

O prognóstico da insuficiência renal crónica terminal não tratada é mau, sendo que a ausência de função renal é incompatível com a vida, excepto se for providenciada uma técnica substitutiva da função renal.

Apesar dos progressos médicos e tecnológicos as formas de tratamento dialítico devem ser encaradas como tratamentos transitórios. Se possível o objectivo último deverá ser a realização de transplante renal.

Recomendações

A identificação precoce dos doentes em risco é imperativa para prevenir ou atrasar a progressão para DRCT e controlar os sintomas associados.

Um centro de diálise pediátrico deve incluir todas as modalidades de diálise disponíveis, e estar integrado num programa de transplantação renal.

Em Portugal continental, o tratamento de crianças com DRCT está centralizado em alguns centros de tratamento especializados.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail