Menu

Introdução

Definição

A avulsão consiste no arrancamento de parte de um osso, em resultado de uma força de tração súbita, num local de inserção de uma estrutura tendinosa ou ligamentar. Sendo, para todos os efeitos, uma fractura óssea, diferencia-se das formas convencionais que são normalmente provocadas por um traumatismo externo directo, com forças de compressão e não de tração. Segundo o local da lesão, podem originar:

  1. Avulsão da crista ilíaca,
  2. Avulsão da espinha ilíaca ântero-superior
  3. Avulsão da espinha ilíaca ântero-inferior
  4. Avulsão da tuberosidade isquiática
  5. Avulsão do pequeno trocânter

Epidemiologia

A incidência destas lesões prende-se mais com o nível de actividade física em determinada idade do que com qualquer alteração patológica da cartilagem de crescimento.

Observadas na população masculina jovem (sobretudo nos adolescentes) que pratica desportos vigorosos, são situações raras na população em geral. Talvez devido a essa raridade e ao habitual bom prognóstico desta patologia, mesmo quando não diagnosticada ou não tratada, tem sido de alguma forma negligenciada na literatura ortopédica.

História Clínica

As avulsões das apófises pélvicas são tipicamente lesões de atletas adolescentes [2,3,5,8,9,11,13,14,16,18,19] do sexo masculino [2,3,8,9,14] praticantes de desportos vigorosos [1,2,3,8,9,11,13,15,18,21].

Podem resultar de traumatismos crónicos de tracção durante a prática desportiva [13,19] ou de um episódio traumático único por contracção muscular súbita, desencadeando um quadro sintomatológico mais exuberante [9,19]. Apesar de alguns autores sugerirem a sua relação com eventual patologia da cartilagem de crescimento [6,7] este facto não está demonstrado e a incidência relacionar-se-á mais com o nível de actividade física em determinada idade do que com qualquer alteração patológica da cartilagem de conjugação.

O mecanismo de lesão é o mesmo que provoca lesões músculo-tendinosas no atleta adulto [9,16], nomeadamente roturas musculares durante contracção súbita e violenta.

As avulsões pélvicas são lesões consideradas raras, mas, no desportista desta faixa etária [1,4,5,6,7,8,9,10,11,12,13,14,15,17,18,19,21], são relativamente frequentes, principalmente as avulsões da EIAS e EIAI já que as restantes são verdadeiras raridades.

Com o aparecimento dos núcleos de ossificação apofisários, alguns anos antes do fim do crescimento, a placa cartilaginosa torna-se extremamente vulnerável a traumatismos [4], principalmente quando de uma contracção brusca do músculo inserido na respectiva apófise. Esta fragilidade predispõe, os atletas praticantes de modalidades com forte componente físico dos membros inferiores e massas musculares desenvolvidas, ao aparecimento de apofisites e avulsões das apófises pélvicas.

Quando a avulsão ocorre antes do aparecimento do núcleo de ossificação secundário a lesão não é radiologicamente evidenciável senão várias semanas mais tarde, altura em que se visualiza o calo ósseo, e a instituição de um tratamento adequado está dependente apenas de um precoce e correcto diagnóstico clínico [16,19].

Devido à espessura perióstica as diastases não são habitualmente significativas mas os achados radiológicos tardios podem ser confundidos com uma lesão tumoral (Figura 5) ou infecciosa [16,19].

A maioria dos autores recomenda o tratamento conservador com excelentes resultados funcionais, retomando o atleta o seu nível competitivo pré-lesional, mas, em situações excepcionais, com grandes diastases ou com sequelas, pode-se equacionar uma solução cirúrgica.

Bibliografia

  1. Buch KA and Campbell J: Acute onset meralgia paraesthetica after fracture of the anterior superior iliac spine, Injury 24(8):569, 1993.
  2. Canale ST: Fractures of the pelvis. In De Rockwood CA , Wilkins DE and King RE: Fractures in children, vol 3, Philadelphia, JB Lippincott Co:992, 1991.
  3. Crenshaw AH: Campbell’s operative orthopaedics, vol 2, Mosby Co, 1992.
  4. Draper DO and Dustman AJ: Avulsion fracture of the anterior superior iliac spine in a collegiate distance runner, Arch Phys Med Rehabil 73(9):881, 1992.
  5. Ducloyer P and Filipe G: Apophyseal avulsion of the pelvis in children, Chir Pediatr 29(2-3):91, 1988.
  6. Faria J and Salis Amaral J: Fractura avulsão do pequeno trocanter, Rev Port Ortop Traum 4:309, 1995.
  7. Fasting OJ: Avulsion of the lesser trochanter, Arch Orth Traum Surg 91:81, 1978.
  8. Fernbach SK and Wilkinson RH: Avulsion injuries to the pelvis and proximal femur, Am J Radiol 137:581, 1981.
  9. Gamelas JM, Martins A and Salis Amaral JA: Avulsão bilateral das espinhas ilíacas antero-inferiores (revisão de caso clínico), Rev Port Ortop Traum 4:581, 1996.
  10. Hansson G: Bilateral avulsion fracture of the anterior superior iliac spine: report of a case, Acta Chir Scand 136(1):85, 1970.
  11. Jacobsen S: Apophyseal avulsions of the pelvis and proximal femur, Ugeskr Laeger 155(27):2124, 1993.
  12. Jansen BR and Kortmann JH: Avulsion of the anterior inferior iliac spine, Ned Tijdschr Geneeskd 119(36):1368, 1975.
  13. Khoury MB, Kirks DR, Martinez S and Apple J: Bilateral avulsion fractures of the anterior superior iliac spines in sprinters, Skeletal Radiol 13(1):65, 1985.
  14. Lagier R and Jarret G: Apophysiolysis of the anterior inferior iliac spine: a histological, clinical and radiological study, Arch Orthop Unfallchir 83(1):81, 1975.
  15. Lanbert MJ and Fligner DJ: Avulsion of the iliac crest apophysis: a rare fracture in adolescent athletes, Ann Emerg Med 22(7):1218, 1993.
  16. Nicholas JA and Hershman EB: The lower extremity and spine. In sports medicine, vol 2, St Louis, CV Mosby Co, 1986.
  17. Schothorst AE: Avulsion fractures of the inferior-anterior iliac spine, Arch Chir Neerl 30(1):55, 1978.
  18. Schwobel MG: Apophyseal fractures in adolescents, Chirurg 56(11):699, 1985.
  19. Sundar M and Carty H: Avulsion fractures of the pelvis in children: a report of 32 fractures and their outcome, Skeletal Radiol 23(2):85, 1990.
  20. Tachdjian MO: Pediatric Orthopedics, 2nd ed, vol 2, Philadelphia, W. B. Saunders Company, 1990.
  21. Winkler AR, Barnes JC and Ogden JA: Break dance hip: chronic avulsion of the anterior superior iliac spine, Pediatr Radiol 17(6):501, 1987.

Deseja sugerir alguma alteração para este artigo?
Existe algum tema que queira ver na Pedipedia?

Envie as suas sugestões

Newsletter

Receba notícias da Pedipedia no seu e-mail